Estudos científicos, médicos e psicológicos de Medjugorje

Tempo de leitura: 6 minutos

Os exames científicos e psicológicos

René Laurentin conheceu o Dr. Stopar, um psiquiatra croata, em Medjugorje desde o início de sua pesquisa. Este médico hipnotizou Maria, que foi muito receptiva, fazendo-a revelar os segredos que a jovem não havia confiado a ninguém. Quando René Laurentin se escandalizou com esta violação de consciência, o Dr. Stopar respondeu:

«Sim, fiz, mas guardo tudo estritamente dentro do sigilo profissional». 

Em 1984, René Laurentin entrou em contato com o professor Henri Joyeux, que na época havia conseguido, a seu pedido, poder dar uma palestra sobre Medjugorje em Montpellier, na França. Laurentin então respondeu: Você pode fazer a palestra, mas peço que faça uma investigação e eletroencefalogramas para estudar o êxtase dos videntes. O professor Joyeux montou uma equipe multidisciplinar eficaz e realizou este estudo em 1984-1985. Esta investigação foi conduzida em condições heróicas, com os aparelhos portáteis da época; mas uma das duas máquinas foi danificada durante a viagem e não pôde ser utilizada. Graças aos outros equipamentos, no entanto, foi possível obter os traços do funcionamento cerebral dos videntes antes, durante e depois da aparição. Durante o êxtase, os videntes não dormem e não sonham, e é isso que a trilha mostra; eles nem têm convulsões o que explicaria as visões. 

A combinação desses testes, dos eletro-hologramas sincrônicos e de outros exames, estabeleceu a sincronia, até então discutida, dos videntes e, sobretudo, estabeleceu que essas pessoas não viviam em estado patológico. Isso pôs fim à teoria de Charcot, que se tornou oficial no início do século XX, segundo a qual as aparições são um fenômeno histérico. Ele havia tirado essa conclusão depois de ter conseguido provocar uma desconexão extática por meio da hipnose, realizada em alguns sujeitos histéricos, particularmente pessoas sensíveis; tudo isso havia limitado seu estudo a essa forma psiquiátrica de desconexão. 

As conclusões do estudo foram elaboradas, no entanto, pelo professor Joyeux e sua equipe e por R. Laurentin no que diz respeito às implicações espirituais, e foram publicadas sob o título Études médicales et scientifiques sur les apparitions de Medjugorje, em 1985. 

Pouco tempo depois, a partir de 1985, alguns médicos italianos realizaram vários testes, cujos resultados divulgaram em uma coleção coletiva feita por L. Frigerio, G. Mattalia e L. Bianchi: Dossiê científico sobre Medjugorje, em 1986. Este tipo de estudos, mais amplamente interdisciplinares, confirmaram os conduzidos pelo Dr. Joyeux. Enquanto isso, as duas equipes médicas se reuniram em Milão pelo Dr. Farina, que primeiro estabeleceu e depois presidiu a equipe médica da ARPA (Associação Regina Pacis). Ele havia enviado em 1985, uma série dupla de dez conclusões médicas e dez conclusões teológicas favoráveis ​​a Medjugorje. 

O Papa enviou estes relatórios ao Cardeal Ratzinger e estes, juntamente com os outros dados recolhidos, desempenharam o seu papel na rejeição do julgamento negativo proposto pelo Arcebispo Zanic. Em 1998, o padre Ivan Landeka, ofm, pároco de Medjugorje, convidou um grupo de quatorze médicos e psicólogos austríacos e italianos para realizar uma pesquisa psicofisiológica sobre os videntes de Medjugorje que ele havia mobilizado para aquela circunstância. Os videntes foram submetidos a muitos testes psicológicos, mas nenhum teste eletrônico: nenhum eletroencefalograma ou eletro-oculograma (I Veggenti di Medjugorje. Ricerca psicofisiologica, 1998). 

O professor Joyeux e sua equipe, que retornaram muitas vezes a Medjugorje para pedir para poder realizar novos testes com dispositivos mais modernos capazes de registrar não apenas oito curvas, mas também trinta, com as quais teria sido possível estudar vários videntes em sincronia para verificar a simultaneidade da entrada em êxtase e sua evolução. Contudo os videntes não foram avisados ​​desses testes devido à falta de uma linguagem comum com o padre Landeka. 

Lamentavelmente um dos membros dessa equipe afirmou publicamente que uma das videntes não estava realmente em êxtase. A este propósito o Pe. Laurentin viu-se na obrigação de clarificar em um artigo que apareceu na revista Chrétiens, o que aconteceu afirmando que a vidente, Maria, teve sintomas de êxtase, embora às vezes permanecesse menos em contato do que os outros, porque há diferentes graus de desconexão no êxtase dos diferentes videntes testados em todo o mundo. 

As medidas tomadas pelo professor Joyeux e René Laurentin para obter permissão para realizar testes eletrônicos mais eficientes não levaram a nada. Especialmente porque os videntes sempre recusaram esses testes (especialmente Jakov e Vicka). Na verdade, eles os odeiam porque esses testes os fazem sentir ratos de laboratório. Por outro lado, mesmo os testes psicológicos a que foram submetidos não fizeram nada além de reforçar a sua ironia e o seu ceticismo em relação a esses testes que o padre Landeka os havia exortado fortemente a fazer.

As curas médicas 

René Laurentin acompanhou o estudo das curas registradas pela paróquia: e publicou-as na obra Apparitions de la Vierge Marie à Medjugorje:

  • 291 curas até 19 de outubro de 1986 
  • mais de 300 até 1987 

Além disso, ele colocou esses cadernos à disposição da ARPA a qual começou a realizar um estudo metódico das curas e criou um escritório encarregado das descobertas em Medjugorje. Depois de alguns meses, eles decidiram realizar exames mais aprofundados para sete casos particularmente significativos e bem documentados. Nessa altura já tinham comprado uma propriedade para colocar o seu escritório para as descobertas, mas pouco depois de 1990, a ARPA teve que parar a sua atividade devido à guerra. 

René Laurentin estava em contato com o doutor Korljan, um psiquiatra, uma figura bem conhecida na Croácia também em nível político. A Conferência Episcopal Iugoslava o instruiu a formar uma comissão científica para o estudo médico e psicológico de videntes e curas. Mas não havia sido convidado a presidir nem a colaborar regularmente com a comissão de teólogos. Ele lamentou ocupar essa posição marginal. 

Ele havia reconhecido a normalidade dos videntes na esfera das relações públicas. Ele ficou particularmente impressionado com a recuperação de Damir Coric (uma cura milagrosa considerada assim pelos médicos italianos): este paciente sofria de hidrocefalia interna e sofrera danos cerebrais irreversíveis. Em tratamento desde 21 de março de 1980, foi submetido a cinco cirurgias e posteriormente encaminhado para casa por ter sido declarado incurável em 6 de maio de 1981; estava totalmente dependente e acamado na impossibilidade absoluta de andar, comer sozinho e conversar. Ele comunicava apenas com um leve aceno de cabeça. 

Pouco antes de julho de 1981, a família o levou a Medjugorje pela primeira vez e depois pela segunda vez no final de julho. René Laurentin havia encontrado muitas vezes o doutor Korljan junto com Dom Franic, seu amigo. O doutor Korljan mostrou a René Laurentin os exames feitos a Damir Coric antes e depois de sua recuperação. Eles atestaram uma reconstituição cerebral: foi um achado probatório de suma importância. Infelizmente o Dr. Korljan faleceu. Devido ao fato de a comissão não ter assumido suas conclusões, os membros que dela faziam parte declararam que o sobrenatural (e eles queriam dizer a palavra no sentido de extraordinário, milagroso) não estava provado. Em vez disso, o Dr. Korljan considerou isso comprovado. Coric também havia sido examinado pelo Dr. Antonacci, da ARPA, em 3 de maio de 1987, e ele havia constatado a lucidez possuída por este homem anteriormente acamado e abandonado às piores previsões para sua saúde em 1981. 

Damir retomou o seu antigo emprego em Mostar. A morte do doutor Korljan no rescaldo da guerra foi noticiada nos jornais como um acontecimento, mas ninguém se preocupou em recuperar seus estudos. O estudo da cura, portanto, acabou em uma bolha de sabão e René Laurentin não conseguiu encontrar em Medjugorje o registro das trezentas curas que ocorreram na paróquia. 

Felizmente, o professor Gildo Spaziarne voltou a estudar os documentos que ele mesmo havia coletado sozinho e com a ajuda da ARPA, e mais tarde publicou um volume que faz uma avaliação positiva dos eventos de Medjugorje. Com base em oito curas que estudou em seus livros (Studi per Medjugorje: guarigioni straordinarie, de 1993; Malattie e guarigioni a Medjugorje, de 2003), o professor publica em 7 de abril de 1983, um estudo do caso de Damir em particular, juntamente com numerosos documentos e com o atestado de cura, mas sem as tomografias que estavam em poder do Dr. Korljan e sem nenhuma precisão quanto à data exata da cura em agosto de 1981. 

René Laurentin acompanhou as curas de Medjugorje em seus volumes anuais intitulado Dernières Nouvelles e depois em La Vierge apparaît-elle à Medjugorje?, em que dá informações ainda mais precisas sobre o caso de Damir Coric. 

Damir tinha 16 anos na época. Ele passou por cinco cirurgias antes de ser mandado para casa em 6 de maio de 1981. Pouco antes de julho de 1981, a família o levou a Medjugorje pela primeira vez e depois pela segunda vez no final de julho. Desta vez:

«Quando saí da igreja, a Vicka começou a rezar por mim e nesse momento senti-me como uma força a invadir-me»,

testemunha Damir Coric. A cura ocorre gradativamente:

«Pude dar os primeiros passos no Natal; Eu também estava começando a articular palavras novamente».

Na Páscoa a recuperação foi completa. Em outubro de 1983, retomei o trabalho em uma fábrica de compressores em Mostar. Fui considerado adequado para esse trabalho no momento do exame médico. Para mais informações sobre esta cura veja-se a obra La Vierge apparaìt-elle à Medjugorje de 1991 do Pe. René Laurentin.

Related Articles

Responses

Open chat
Necessita de ajuda?
Ave Maria,
como a poderei ajudar?