Posição oficial e não oficial da Igreja – Parte I

Tempo de leitura: 6 minutos

Posição oficial e não oficial da Igreja

Durante a narração dos eventos pudemos ver como Dom Zanic, um homem de bom coração e muito aberto humana e espiritualmente, apesar de seu temperamento impulsivo e às vezes agressivo e autoritário, foi inicialmente favorável às aparições e como as defendeu corajosamente contra o governo comunista; mais tarde, apanhado no determinismo da luta entre os franciscanos e o clero secular, este homem resvalou para uma posição oposta que defendeu com igual entusiasmo e vigor. 

Isso fez com que desse um julgamento negativo enquanto os peregrinos de Medjugorje preparavam uma linha de defesa semelhante àquela com a qual Joana d’Arc havia sido defendida quando foi sentenciada pelo tribunal regular do bispo Cauchon. Quando Dom Zanic apresentou seu juízo negativo ao Cardeal Ratzinger, parece que este atuou como porta-voz do Papa que sempre o consultou nos casos mais importantes e que em essência respondeu:

«não aceitamos este julgamento. Dissolva a comissão [compartilhada] que constituiu o inquérito no qual se baseou a sua “non patet supernaturalitas” (o sobrenatural não está estabelecido), e transferiremos o julgamento para a Conferência Episcopal». 

Espontaneamente, o arcebispo Zanic revelou o conteúdo de seu encontro a um padre que conheceu no navio que cruzava o Adriático no caminho de volta. O Cardeal Kuharic, presidente da Conferência Episcopal Jugoslava, teve o cuidado de dar-lhe o primeiro lugar nos debates que se seguiram com base no trabalho de uma nova e maior comissão. Ele continuou sendo o bispo local, responsável por aquela paróquia e por este evento, confiado aos seus cuidados como sucessor dos apóstolos. Nessas condições, o interesse positivo do Cardeal Kuharic em assumir pastoralmente este importante evento não pôde progredir. 

Durante muitos anos, todas as vezes que o debate chegou à Conferência Episcopal, o arcebispo Zanic, que foi o primeiro a falar, reiterou a sua acusação com todo o seu vigor. Somente o arcebispo Franic ousou falar em outro sentido, com sua autoridade como responsável pelas questões doutrinárias. Mas quando atingiu o limite de idade prescrito, o arcebispo Zanic tornou-se o principal responsável, após o qual ninguém ousou falar. 

Após cinco anos, a diplomacia do Cardeal Kuharic, presidente da Conferência Episcopal da Jugoslávia, estava falhando. A questão tornou-se bastante complicada porque o arcebispo Zanic, que falou primeiro, manteve sua opinião negativa e os bispos das outras dioceses não ousaram intervir na esfera de sua competência. No final, chegaram a um texto positivo, mas nele o bispo Dom Zanic havia colocado tantas dessas gravuras negativas que o texto nem parecia publicável. Eles decidiram manter isso em segredo pelo menos no começo. Mas Dom Zanic o publicou em 2 de janeiro de 1991 pela agência italiana ASCA junto com um comentário negativo:

“Sem caráter sobrenatural”. 

O padre Michel de la Trinité, um adversário bem informado, atribui-lhe a “honra” desta iniciativa “corajosa“. Mas o arcebispo de Belgrado, Dom Frane Perko, corrigiu tudo na revista 30 Dias no número publicado em 2 de fevereiro de 1992:

Eu nego esta interpretação“. 

E Dom Franic, arcebispo de Split, explicou ao Corriere della Sera, em 15 de janeiro de 1991:

Os bispos não querem humilhar Dom Zanic, porque quando lhe dizem que sua posição não tem fundamento, começa a chorar e gritar“.

Os bispos desistiram de insistir. A partir desse momento, os comentários seguiram seu curso em ambas as direções. 

Os bispos, constrangidos por esta publicação selvagem, elaboraram um texto de forma bastante confusa e publicaram-no quatro meses depois, em 10 de abril de 1991, a título de esclarecimento: 

«Os membros da Conferência Episcopal Jugoslava, reunidos em sessão ordinária no dia 9, e 10 de abril de 1991 em Zadar, concordaram com a seguinte declaração: “Desde o início, os bispos acompanharam os acontecimentos em Medjugorje através do bispo diocesano e da comissão criada para este fim pela Conferência Episcopal Jugoslava. Com base nas investigações realizadas até agora, não se pode dizer que as que ocorrem no local sejam aparições ou revelações sobrenaturais. No entanto, a reunião massiva de fiéis que, motivados por razões inerentes à sua fé, ou por outras razões, vêm a Medjugorje de todo o mundo, requer a atenção e preocupação pastoral do bispo da diocese, em primeiro lugar e, ao mesmo tempo, dos outros bispos, para que em Medjugorje, para aqueles que a ela se referem, seja promovida uma sadia devoção à Virgem Maria de acordo com o ensinamento da Igreja. Para isso, os bispos darão as diretrizes litúrgicas e pastorais adequadas. Ao mesmo tempo, eles continuam, por meio de sua comissão, a seguir e examinar os frutos de Medjugorje como um todo”». 

As conclusões são estas: o sobrenatural não está estabelecido nem excluído. Os bispos pretendem “continuar a seguir e examinar os frutos de Medjugorje através de sua comissão” com o objetivo de dissipar essa dúvida. O Cardeal Kuharic, presidente da Conferência, afirma:

«Quanto à natureza sobrenatural das aparições, declaramos o seguinte: até agora, não podemos afirmá-lo, mas deixamos o julgamento para estudos posteriores. A Igreja não tem pressa». 

A dissolução da Conferência Episcopal após o desaparecimento da ex-Jugoslávia deixou a situação no mesmo estado. Os bispos se encarregam da peregrinação. Eles não proíbem e não dissuadem os peregrinos, mas os orientam. Dom Kuharic reconheceu que a igreja de Medjugorje se tornou efetivamente “um santuário mariano” (uma fórmula rejeitada por Dom Peric, sucessor de Dom Zanic). Espalhou-se a notícia do prolongado conflito que surgiu mais tarde a partir de uma resposta ambígua da Congregação da Fé dada ao Arcebispo Taverdet e outros bispos. O Dr. Navarro Valls, porta-voz da Santa Sé, em contato direto com o Papa e seu secretário, opôs-se à interpretação segundo a qual as peregrinações eram reprovadas ou proibidas:

«O Vaticano nunca disse: Você não pode ir a Medjugorje».

Pelo contrário, diz aos bispos:

«As vossas paróquias e dioceses não podem [ainda] organizar peregrinações oficiais, mas não se pode dizer às pessoas, não vão lá». 

Alguns diziam que a peregrinação era pelo menos proibida aos sacerdotes e a este respeito o porta-voz da Santa Sé especificou:

«Um católico que vai a tal lugar […] tem direito a ter assistência espiritual. A Igreja, portanto, não proíbe os padres de acompanhar as pessoas em viagens a Medjugorje […] organizadas pelos leigos».

O arcebispo Peric seguiu essa interpretação. 

Com efeito, o Arcebispo Zanic, próximo do limite da idade para se tornar emérito, no momento mais intenso da guerra na Bósnia, teve o seu sucessor nomeado na pessoa de Dom Peric, que era superior do seminário croata de Roma e que o tinha ajudado constantemente no sua luta contra os franciscanos, e que, portanto, lhe parecia o sucessor mais adequado. Sua nomeação foi assinada enquanto o Papa estava doente e, portanto, este não sabia das consequências da situação, que não lhe foram reveladas. O arcebispo Peric era um jovem mais eficaz, mais coerente, mas também menos aberto do que o arcebispo Zanic. O bispo Peric também era um homem de governo, hábil no uso do direito canônico e das relações romanas. Ele com deferência declarou que deixaria a Santa Sé decidir sobre o assunto, mas enquanto isso ele estava travando uma luta mais eficaz do que a do Arcebispo Zanic contra os Franciscanos e Medjugorje. Recusou dar a instituição e os poderes canônicos aos últimos sacerdotes ordenados e nomeados nas paróquias pelo provincial franciscano, como era seu dever. Assim conseguiu manter uma situação completamente irregular reforçando sua tese: com os franciscanos tudo era irregular. No entanto, Roma acabou buscando uma conciliação favorável ao premente pedido dos franciscanos que sempre obedeceram, em geral, e desejavam a regularização em boa e devida forma.

Os encontros aconteceram em Roma sob a direção da Congregação para a Evangelização, à qual pertence esta região dos Balcãs. Os franciscanos e o bispo concordaram em ceder as oito paróquias já previstas no documento de Paulo VI, mas que nunca puderam ser transferidas, dada a resistência radical dos paroquianos. O acordo foi concluído. Os franciscanos celebraram uma missa junto com o bispo e sua decisão conjunta foi proclamada durante o Ofício. 

Em muitas paróquias, porém, os fiéis mantiveram sua oposição radical, chegando mesmo a emparedar a casa paroquial para impedir a chegada do padre secular, e também rezaram com fervor a alguns franciscanos conhecidos por seu bom coração, para que não os abandonassem sem o sacramento. Os franciscanos foram rigorosamente expulsos da Ordem, dispensados ​​dos votos e suspensos, proibindo-os de exercer o sacerdócio, ainda que continuassem a fazê-lo sob o pretexto de que não tinham o direito de recusar os sacramentos de Cristo aos católicos. A unidade canônica da Igreja e a obediência eram uma prioridade. 

Mais uma vez, o que os franciscanos haviam acordado anteriormente foi plenamente reafirmado. O que eles pediram em troca, no entanto, foi muito menos. Dom Peric não concedeu a instituição canônica (ou seja, um posto oficial) nem os poderes pastorais, inclusive o de confissão, exceto sob a condição de que jurassem total obediência ao bispo; e mesmo aqueles que fizeram este juramento nem sempre receberam os poderes canônicos e, sobretudo, não receberam o poder de confessar. Como no caso de um jovem padre franciscano nomeado em Medjugorje, onde faltam confessores. É muito difícil desembaraçar-se deste novelo emaranhado. Os franciscanos, que tanto esperavam obter desses acordos oficiais, continuam vivendo em Medjugorje em uma situação difícil, porque a fé continua a provocar conversões admiráveis ​​e movimentos de formação sacerdotal. 

Os jovens acorrem ao festival dos jovens, exigindo que seja aberto a eles de 1 a 6 de agosto; este evento é extraordinariamente frutífero. O bispo Peric escreveu dois livros, um após o outro, sobre a Santa Virgem, que são acusações contra as aparições e a peregrinação a Medjugorje. Isso cria uma situação difícil, mesmo que os franciscanos evitem falar sobre as aparições pelas quais tantas pessoas se reúnem. Eles se apegam ao Evangelho e aos sacramentos. Por isso, a sua pastoral acaba sempre por se encontrar numa situação precária. O diálogo que eles mantêm organicamente todos os meses com o bispo não permite nada além de manter a paz, mas não leva a uma situação pastoral normal naquele lugar de graça. 

Alem da razão acima apontada a frequência de peregrinações ocidentais diminuiram na mesma época: Itália, França e especialmente os Estados Unidos, porque os peregrinos têm medo da viagem de regresso por causa das ameaças de terrorismo. A sua frequentação deste local caiu ainda mais com o declínio, a partir de 1986, ano em que foi publicada a posição negativa em relação às aparições, a qual foi cordialmente assumida pelo responsável das peregrinações norte-americanas. Medjugorje, proibida por muito tempo, tornou-se um grande centro de conexão para todos os povos do Oriente, de onde os fiéis afluem em grande número, senão a maioria, durante a festa dos jovens.

Related Articles

Responses

Open chat
Necessita de ajuda?
Ave Maria,
como a poderei ajudar?