Onde está o menino Jesus?

Tempo de leitura: 4 minutos

Dos três Reis Magos que visitam o Menino e sua Mãe se diz que eles se curvaram e adoraram. O mesmo deveria ser dito dos pastores, pois cada representação do presépio mostra os pastores em um gesto de veneração, porque por meio do anjo, eles sabem que esta criança é o Salvador, o Messias, o Senhor. E quantas imagens antigas nos mostram Maria em silenciosa adoração ante o Menino!

Os dias de natal são um tempo em que a adoração a Deus – já conhecida pelo Antigo Testamento, por exemplo nos Salmos – recebe razões inteiramente novas para iluminar e, graças a isso, também uma forma completamente nova: nós podemos e devemos adorar a Deus nesta criança que Ele nos enviou. Isso é tão incrível que nos força a pensar também de uma nova forma deste ato de adoração, que em nossa era secularizada se tornou uma realidade para nós estranha em grande medida. Se ainda existe um relacionamento pessoal com Deus em nós, na maioria das vezes apresentamos nossas súplicas a ele, e isso é justo; mas raramente agradecemos – em cada dez leprosos curados por Jesus, apenas um retorna para agradecê-lo–, ou quando o sofrimento nos atinge, fazemos um ato de devoção e rendição à incompreensível vontade eterna de Deus, e isso também é justo. Mas resignação, submissão à vontade de Deus ainda não é adoração.

O que é adoração?

Deus é único e infinitamente misterioso. Da mesma forma, também o ato pelo que o reconhecemos com todo nosso ser como Deus, é único e, portanto, não é tão fácil de descrever. Vamos tentar, apesar de tudo: reconhecer que Deus é por si mesmo, enquanto tudo criado existe apenas por Sua vontade e ato onipotente e, portanto, não tem suas raízes em si mesmo, mas Nele, o único não condicionado e absoluto. Reconhecer, portanto, que Deus é o verdadeiro por excelência, a quintessência de toda verdade e, em consequência, Ele está sempre certo em tudo que deseja fazer ou deixa acontecer; que é loucura disputar contra Deus, como se fosse possível alegar um erro , e que o homme révolté acaba destruindo sua própria essência. Reconhecer que Deus é o bem por excelência, o quintessência de toda bondade e, portanto, não apenas é a verdade, mas por causa de seu ser e suas disposições ele é digno ser amado também incondicionalmente, amado com a reverência de todo o nosso coração. Reconhecer que Deus é absolutamente belo, a quintessência de toda beleza, e, portanto, devemos dar-lhe razão com grande entusiasmo e servi-lo com alegria, como os Salmos aclamam a Deus, o exultando e São Paulo exige dos cristãos: «Cantem hinos de louvor a Deus cheios de gratidão em seus corações ». De acordo com as Escrituras, Deus como verdade absoluta é “nossa rocha”, que nunca pode oscilar, pois a bondade é o nosso “pastor”, as “asas sob as quais nos encontramos protegidos », pois a beleza é o Senhor da« glória », nossa felicidade plena, charme, êxtase. Tudo isso já conheceu no Antigo Testamento, no qual o coração do homem piedoso se entrega a Deus em amor doação, em ação de graças, em plena confiança, em reverência abismal, livre felizmente de toda angústia.

Sobre as diversas formas de adorar a Deus, há um antigo hino de adoração, em latim, ao Santíssimo Sacramento que antes estava em todos os livros de orações e cuja primeira estrofe se lê assim:

Adoro te devote, latens Deitas
quae sub his figuris vere latitas
tibi se cor meum totum subjicit
quia te contemplans totum deficit.

Que poderíamos traduzir:

Eu vos adoro devotamente, ó Divindade escondida,
Que verdadeiramente oculta-se sob estas aparências:
A Vós, meu coração submete-se todo por inteiro,
Porque, vos contemplando, tudo desfalece.

Agora, podemos entender o que seriam “estas formas” não apenas as formas de pão e vinho em que o Divino se esconde, mas também todas as formas do mundo, a do homem acima de tudo, mas também de todos as outras que Ele criou para o homem e pertencem à sua casa terrena. Podemos dizer que Deus caminha no meio de nós de diversas formas. Muitos acreditam que chegar a adorar a Deus nas criaturas e no homem exigiria um grande tempo de preparação meditativa e exercícios técnicos. Não acredito. Basta que simplesmente tragamos contemplativamente em memória de nossa Fé, que no Natal recebemos a sua veste visível: «Deus amou tanto o mundo “e cada um de nós” que deu o seu Filho único para ele» e para cada um de nós. Este filho entregue é colocado diante de nossos olhos. Aqui, no Natal, na Cruz, no Domingo de Páscoa, aqui todos os dias ordinários do ano litúrgico. Ele está no meio de nós!

Adoremos! O Senhor está chegando e já está dentro de nós e dentro dos irmãos!

Feliz Natal a todos nossos queridos Cultores de Mariologia!! Vivamos esse Natal com o Senhor que mora em nós, conosco e perto de nós!

Texto retirado dos escritos sobre o Natal de H. U. von Balthasar

Artigos relacionados

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Feliz Natal!!!!
    A todos da Locus Mariologicus.
    Que possamos viver mais na graça, no amor e na misericórdia todos os dias de nossa vida…
    Com os ensinamentos de Maria, a amar o teu filho como Ela amou!

×

Powered by WhatsApp Chat

×