group of people running on stadium

Mérito e Graça

Tempo de leitura: 3 minutos

Estamos muito acostumados nesse mundo a ouvir a palavra “mérito”, meritocracia. Corremos atrás todos os dias em nosso trabalho, afazeres, família, em receber um “reconhecimento” do bem feito ou produzido. Segundo o CIC no §2006, o termo “mérito” designa, em geral, a retribuição devida por uma comunidade ou uma sociedade à ação de um de seus membros, sentida como boa ou má, digna de recompensa ou castigo. O mérito se relaciona com a virtude da justiça, em conformidade com o princípio da igualdade que a rege. Mas e diante de Deus, como alcançar mérito se há entre nós uma diferença infinita, sendo que Dele tudo recebemos? Ele é a causa primeira de todas as coisas, como bem diz São Tomás, e sem Ele não fazemos nada de bom.

A Lei do Mínimo Esforço - As Sete Leis Espirituais do Sucesso

A gratuidade da graça não pode conter o mérito. Além do mais, o mérito enquanto substantivo não existe na Sagrada Escritura. Contudo, quando nos referimos a mérito estamos dizendo que Deus promete recompensa àqueles que cumprem a sua palavra. Tenhamos  em consideração que a noção de recompensa depois da morte aparece na Sagrada Escritura apenas no IIº século a.C.

A doutrina paulina dando ênfase a gratuidade da graça, não deixou de referir também que depois de termos recebido os meios do mérito, ou seja a graça, o cristão na parusia receberá a coroa da justiça do justo Juiz:

«Desde agora, está reservado para mim a coroa da justiça que o Senhor, o justo juiz, me dará naquele dia, não somente a mim, mas a todos os que tiverem esperado com amor a sua manifestação» (2 Tm 2,8); «Aliás, todos temos de comparecer, às claras, perante o tribunal de Cristo, para cada um receber a devida recompensa – prêmio ou castigo – do que tiver feito, de bem ou de mal, ao longo de sua vida corporal» (2 Cor 5,10).

Por conseguinte, Paulo insiste que o homem não pode ganhar uma recompensa no sentido pleno, da mesma forma que alcança a punição. Os seus méritos são em um sentido menor e secundário, dado que as graças que o tornam santo e o movem para o bem, são um dom, segundo Paulo: «Com efeito, a paga do pecado é a morte, mas o dom de Deus é a vida eterna no Cristo Jesus, nosso Senhor» (Rom 6,23).

Ao fazer esta distinção, Paulo nos sublinha uma implicação pelo fato de Deus ser o Pai e toda a paternidade ter o seu nome: «de quem recebe o nome toda paternidade no céu e na terra» (Rm 3,15); «Com efeito, vós todos sois filhos de Deus pela fé no Cristo Jesus» (Gl 3,26). As crianças, podem, em sentido pleno ganhar uma punição, um desinteresse, mas não podem ter a necessidade de meritar o amor básico dos seus genitores. Da mesma forma, a esperança humana de alcançar as moradas do Pai baseia-se nesta verdade: «E, se somos filhos, somos também herdeiros: herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo, se, de fato, sofremos com ele, para sermos também glorificados com ele» (Rm 8,17); «sabendo que é o Senhor que vos recompensará, fazendo-vos seus herdeiros. Ao Cristo e Senhor é que estais servindo» (Cl 3,24). Contudo, o Pai requer que os fiéis sejam conformes o seu Filho, Jesus Cristo. Neste sentido, do mesmo modo que o verdadeiro mérito de Cristo não move o Pai para alcançar misericórdia e graça, dado que Ele não tem necessidade de ser comovido, pois Ele desde sempre amou o homem, e foi o seu amor espontâneo que o levou a enviar o seu Filho ao mundo. O seu não meritado amor é a explicação básica de todas as coisas boas que o homem possui e é. A obediência meritória é uma condição humana, a qual no Seu amor divino e humano, o Pai deseja oferecer ao homem, apesar de não receber nada em troca, a plenitude da aliança fundada pelo e no amor de Deus que o homem não pode ganhar. 

Ainda sobre isso, quais suas dúvidas sobre o tema “Mérito e Graça”?  Será que Deus nos da graças diante de nossos feitos?  

Artigos relacionados

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. A Graça e os dons provém de Deus, recebemos tudo dele por amor! Cristo também veio por nós, e por amor. E o mérito, escutei algumas vezes que temos que merecer tudo o que Deus nos dá! Mas como merecer o que já nos foi dado de forma gratuita? A “obediência meritória é uma condição humana, e não divina”? Por isso devemos descobrir o verdadeiro valor de nossas ações, quando colocadas a serviço de Deus?

  2. “O bom Deus não recusa jamais essa primeira graça que dá coragem de agir; após então, o coração se fortifica e se vai de vitória em vitória.”

  3. A obediência meritória é uma condição meramente humana? Tudo é Graça, até a Graça de merecer. A Parábola dos Talentos (Mt 25,14-30) é muito clara. Deus dá os talentos (Graças) aos homens e espera que elas frutifiquem. Quem não der frutos, será lançado nas trevas exteriores (Mt 25,30). Aqui, não me parece que a condição meritória é meramente humana, mas, antes, parece ser uma condição do próprio Deus a nós, indispensável para alcançar a Graça maior da Salvação. Santa noite, com Maria!!

    1. Quem obedece é o homem. É na obediência à vontade do Pai que encontramos a vida da graça.
      A gratuidade disponibilidade humana é ação do Espírito no homem que não violando a liberdade ‘bate à porta e espera’.
      Mas antes mesmo de decidirmos obedecer, Deus já sabe, como é, como foi, como vai ser.
      É paradoxal esta questão, mas também é verdade que é um esforço de ser aquilo que é a nossa vocação.
      Por isso Jesus revela o homem ao próprio homem.

  4. A Gratuidade da graça em nossa vida, é sinal do amor incondicional de Deus  Trindade  para nós seus filhos e filhas ,  por meio da participação deste grande  amor . Este presente  concedido a nós  é Maria a Cheia de Graça, que pela sua Maternidade Divina nos envolve deste amor.

  5. Todos somos filhos de Deus e todos podemos receber as graças Dele. Mas, os méritos precisamos ser dignos de tê-los. Eu penso assim… Estou errada professor Daniel?

    1. Os mérito são a obediência à vontade do Pai…
      São resposta ao amor que já recebemos…
      O que temos que não nos foi dado? Dizia São Paulo
      O meu esforço de dignidade não vem da minha vontade mas do abandono à vontade do Pai.

  6. Todos nós como filhos amados de Deus, somos convidados à todo instante de nossas vidas, a trabalhar a Graça Divina em nós como templos do Espírito Santo de Deus! Em nós e em nossos irmãos, motivados pelo ânimo em compartilharmos essa Grande Graça! Quando nos entendemos, conhecemos e encontramos como princípio, meio e fim deste caminho de recebimento, a cada ato de Misericórdia, passamos a nos sentir participantes de uma só comunhão das Graças de Deus! E, isso é maravilhoso, pois é Vida Plena 🙏🏼

×

Powered by WhatsApp Chat

×