Assunção de Maria

Tempo de leitura: 3 minutos
Luca Signorelli, Maria e o Filho com Santos e Anjos, Italian, 1445/1450 – 1523, Coleção de Samuel H. Kress

O teólogo lovaniano que desempenhará um papel importante no Concílio Vaticano II como secretário da Comissão Doutrinal, Gérard Philips, assim, lembra a definição dogmática da assunção de Maria:

“A atenção do universo católico permaneceu fixado durante estes últimos três anos no “novo dogma” definido por Pio X II em 1 de novembro de 1950 no cenário de uma solenidade extraordinariamente impressionante. Nenhum entre as centenas de milhares de espectadores, atraídos por uma visão quase celestial, irão esquecer essa abertura da vida após a morte em nossos humanos contingências”. Um dia memorável na história da Igreja Católica, o da definição dogmática do pressuposto de que não se pode entregar ao esquecimento. Depois, na presença e em comunhão com o colégio cardinalício, com 700 bispos e com a multidão de grandes circunstâncias, Pio XII interpretou com palavras de muita sabedoria, a solenidade do momento:

«Tão abalado pelas batidas dos vossos corações e pela emoção do vossos lábios, as próprias pedras desta basílica patriarcal vibram e juntos com elas, se regozijam com emoções, erguidos em todos os lugares em homenagem à Assunção”.

No entanto, esse dia não veio despreparado. Nenhuma realidade eclesial se improvisa, porque o crescimento da Igreja na verdade pelo empenho do Espírito é fruto de um compromisso de todo o povo de Deus. Os três principais fatores do desenvolvimento de dogmas são indicados do Vaticano II:

Esta tradição apostólica progride na Igreja sob a assistência do Espírito Santo. Com efeito, progride a percepção tanto das coisas como das palavras transmitidas, quer mercê da contemplação e estudo dos crentes, que as meditam no seu coração (cfr. Lc. 2, 19. 51), quer mercê da íntima inteligência que experimentam das coisas espirituais, quer mercê da pregação daqueles que, com a sucessão do episcopado, receberam o carisma da verdade. (Dei Verbum 8)

Isso se aplica à Imaculada Conceição, que não pode ser explicada sem a fé intuitiva das pessoas, pela qual “pecado e Mãe de Deus” são realidades incompatíveis, sem a contribuição esclarecedora dos teólogos – em particular de Duns Scotus com seu argumento do mediador mais perfeito – e sem a contribuição do magistério, primeiro moderando e depois conduzindo à definição dogmática de 1854. O mesmo processo, embora de forma menos polêmica e mais pró-ativa, encontra-se na história do dogma da Assunção. Mesmo aqui não faltam dificuldades, mas no final são superadas pelo supremo magistério da Igreja. A seguida, passaremos à leitura teológica da Bula Munificentissimus Deus.

“Pelo que, depois de termos dirigido a Deus repetidas súplicas, e de termos invocado a paz do Espírito de verdade, para glória de Deus onipotente que à virgem Maria concedeu a sua especial benevolência, para honra do seu Filho, Rei imortal dos séculos e triunfador do pecado e da morte, para aumento da glória da sua augusta mãe, e para gozo e júbilo de toda a Igreja, com a autoridade de nosso Senhor Jesus Cristo, dos bem-aventurados apóstolos s. Pedro e s. Paulo e com a nossa, pronunciamos, declaramos e definimos ser dogma divinamente revelado que: a imaculada Mãe de Deus, a sempre virgem Maria, terminado o curso da vida terrestre, foi assunta em corpo e alma à glória celestial”.

Munificentissimus Deus, (44)

Artigos relacionados

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Eu creio e confesso Vossa Santa e Imaculada Conceição Pura e Sem Mancha!!!
    Creio e confesso Vossa Assunção aos Céus!!!
    AVE MARIA!
    Professor Daniel, obrigada por ensinar-nos sob a Ação do Espírito Santo!
    Gratidão para sempre!
    Paz!
    Abraços, Nilce Maria.

  2. Como eu amo ser católica, apostólica, romana. Cada vez mais me apaixono por Maria. Agradeço imensamente a Locus Mariologicus por todo ensinamento. Em especial o professor Daniel.

  3. Eu pertenço a Imaculada, que esta na glória eterna intercedendo e aguardando seus filhos na morada eterna

  4. Obrigada a vocês por estarem me revelando tantos tesouros : na liturgia, na Sagrada Escritura, na mariologia. Cada dia aprendo mais e maior é o desejo de continuar aprendendo e me aproximando cada vez mais de Jesus e de Maria, nesta peregrinação rumo a morada eterna.

×

Powered by WhatsApp Chat

×