Quem é Bernardo de Claraval?

Tempo de leitura: 5 minutos

Ele é, sem dúvida, o expoente mais ilustre da família cisterciense, bem como um teólogo que deixou uma forte marca no pensamento posterior, mesmo fora da Ordem. Filho de um cavaleiro, Bernardo nasceu em 1090 na Borgogna e ingressou em Citeaux aos 22 anos, local de renovação monástica. Depois de três anos, foi enviado com outros irmão, para fundar o mosteiro de “Chiaravalle”, que colocou sob o patrocínio da Virgem, construindo uma capela em sua homenagem. Permaneceu neste mosteiro onde mais tarde foi eleito abade até 1153, ano da sua morte. Além do desenvolvimento da Ordem em que exerceu a sua presença forte e carismática, também cuidou de questões difíceis: amenizar os conflitos entre os poderosos e evitar a interferência dos príncipes leigos na religião eclesiástica. Ele tinha a unidade da Igreja no coração e era conselheiro de papas e bispos. Na verdade, seu testemunho é muito notável. Uma vida plena, portanto, em que a vida de clausura se alternava com o serviço eclesial e secular. Tudo oferecido à Virgem porque – como ele mesmo menciona na Homilia para o Natal de Nossa Senhora – “é preciso lembrar que: se não quer que o pouco que deseja oferecer seja recusado, procure confiá-lo às mãos mais amáveis ​​e dignas de Maria.”

A visão histórico-interpretativa e descritiva da obra de Bernardo já é muito conhecida, resultando na formação de duas correntes de pensamento que se enfrentaram sobre a importância da teologia mariana de nosso autor. Se por um lado tivemos um aplauso incondicional ao pensamento mariano de Bernardo até lhe conferir o título de médico mariano, por outro lado houve uma redução desta acriticidade sem, no entanto, minar a originalidade do maior autor cisterciense dos primórdios . Densidade e fervor, além da quantidade numérica dos escritos, são os traços característicos do pensamento mariano de Bernardo, autor de uma teologia muito mais ampla e articulada.

O que talvez tenha prejudicado este autor foi uma série de obras que, depois de sua morte, foram atribuídas a ele, nutrindo quantitativamente um número autêntico que em si não era nutrido. Nas páginas dedicadas a este autor no grande estudo editado por Du Manoir, J. B. Auniord, enumera os escritos marianos de Bernardo: – as quatro homilias marianas (In Laudibus Beatæ Mariæ Virginis); – a Carta aos Cânones de Lyon sobre a Imaculada Conceição; – a homilia do Domingo da Oitava da Assunção sobre as 12 prerrogativas marianas; – a homilia sobre a Natividade de Maria (Sermo De aquæductu); – a primeira homilia da Assunção; – a quarta homilia sobre a Assunção. A estes textos são acrescentadas outras referências à Mãe de Deus em outras homilias não diretamente marianas. A superação da questão quantitativa nos é oferecida por um importante esclarecimento feito por L. Gambero segundo o qual:

As páginas marianas de Bernardo podem parecer escassas, se comparadas à quantidade considerável de seus escritos; no entanto, elas mostram todo o gênio e sabedoria teológica do grande Doutor, seu estilo apaixonado e fascinante, sua capacidade de incorporar a referência a Maria na cultura de seu tempo e seu zelo apaixonado em difundir a devoção à Mãe de Deus no povo cristão.

Antes de entrar em detalhes sobre os temas marianos tratados pelo cisterciense, é necessário especificar um aspecto existencial que influencia seu estilo e sua abordagem de Maria: Bernardo é o último grande expoente da teologia monástica claramente orientada para admirar a contemplação e a meditação dos mistérios divinos. ao invés de sua ilustração por meio de categorias filosóficas. No entanto, isso não significa a morte desse tipo de teologia; de fato, como autor, Bernardo deixou uma forte marca para que não poucos expoentes da teologia e da espiritualidade, pertencentes aos séculos seguintes e agora inseridos em uma espécie de teologia argumentativa e racional, extraíssem dele, antes de tudo, São Boaventura.

Sua vocação monástica e sua orientação contemplativa, antes de torná-lo doutor (no sentido medieval tardio e moderno do termo), fizeram dele um devoto da Virgem, aliás, de acordo com Alano di Auxerre († 1185), biógrafo do santo, um ministro devotado. [ 9] Pietro di Celle, em seguida, escrevendo a Nicola di S. Albano define Bernard “alumnus familiarissimus Dominæ nostræ”, sublinhando assim a filiação (o ex-aluno já é entendido como filho) e a intimidade (familiarissimus indica um vínculo que vai além do afeto) com Nossa Senhora (isto é, uma relação condicionada pelo sistema feudal, entre Senhor e servo) da qual um é servo, mas também e sobretudo filho.

A teologia mariana devota e afetiva, é concretizada com um estilo literário particularmente refinado e poético, de forma a impedir a busca da sistematicidade e da integralidade. A isso se acrescenta um sentimento de admiração e profunda consciência do limite humano diante de Deus, para o qual o silêncio é preferível às palavras. Aqui estão dois textos que nos ajudam a expressar esse sentimento de admiração de Bernardo:

Não há nada que eu goste mais e ao mesmo tempo me assuste mais do que fazer um sermão sobre a glória da Virgem Mãe. (…) Embora todos queiram falar dela, no entanto o que se diz de uma realidade indizível torna-se, pelo próprio fato de se dizer, menos querida, e menos aceita.

No II Sermão da Anunciação (In Laudibus Virginis Matris), depois de ter engrandecido a Virgem com o título de estrela (Stella maris), Bernardo assume uma atitude semelhante à dos discípulos presentes na Transfiguração do Senhor:

Mas agora devemos fazer uma pequena pausa, para que a contemplação do esplendor desta luz não seja transitória. Para usar as palavras dos apóstolos: “É bom estarmos aqui.” E gostamos de contemplar suavemente em silêncio o que um discurso elaborado não é suficiente para explicar. Enquanto isso, pela devota contemplação da estrela brilhante, comentários mais fervorosos serão preparados sobre os seguintes temas.

Bernardo, portanto, prefere o silêncio contemplativo ao discurso elaborado (do qual, por exemplo, Abelardo ou Pietro Lombardo, teriam sido campeões), que gosta de pronunciar mais alguns títulos de louvor, em vez de querer penetrar no mistério de Deus com raciocínio. Portanto, temos contemplação, silêncio, mas também formação, porque a Virgem Maria se torna para Bernardo o ideal da vida monástica e, como tal, ele a propõe aos seus irmãos e a todo o povo cristão.

Um dos termos presentes nos escritos de Bernardo é inventrix (aquela que encontra) modelado no texto de Lc 1:30: Maria é digna de encontrar o que procura, mas não só! Também neste aspecto, vemos o carácter extraordinário desta mulher que está plenamente envolvida na graça de Deus e, ao mesmo tempo, como quem pediu e obteve suplemento de graça. E aqui temos uma forte razão pedagógica – deve colocar Maria em busca desta graça de que necessitava. Neste termo, convergem (aquela que encontra) a grandeza de Maria, a sua força mediadora, mas também o empenho dos cristãos. Assim, é possível perceber como nos deparamos com um tipo de reflexão mariológica bastante emocional onde prevalecem os sentimentos, mas isso não elimina o olhar apropriado sobre o conjunto da Revelação realizada com o olhar do devoto e do místico, mais do que do estudioso que permite que prevaleça a ação da razão aplicada ao sagrado e ao mistério, também de boa fé e com espírito de serviço.

Que a exemplo de São Bernardo de Claraval, nos seja impulsionado a olhar para a Virgem com devoção e mística, mas também com especial ciência teológica. Maria é “aquela que encontra” graça e também procura e necessita da Graça.

Artigos relacionados

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. “Ciência teológica+Boa fé +Espírito de serviço = contributo importante na evangelização dos novos tempos. Obrigada, pelo artigo publicado.

  2. Sobre a biografia de São Bernardo de Claraval, cito essa bela passagem desse santo extraordinário, “Cavaleiro da Imaculada”, na pena do historiador francês Daniel Rops, “(…)” O impulso que dera à sua Ordem iria permanecer igualmente vigoroso depois da sua morte. As abadias cistercienses continuariam a sair da terra em abundância, como plantações de grandes cristãos. Claraval fornecerá à Igreja um papa, quinze cardeais e inúmeros bispos. quantos místicos não se colocarão na esteira de Bernardo? Guilherme de Saint-Thierry, Guerric d’Igny, Gilberto de Hoy, Alain de Lile, Beatriz de Tirlemont, Mechtilde de hackeborn, Gerturdes e muitos outros. antes que o século XII termine, ter-se-ão escrito quatro vidas do santo; a Vita Prima, redigida por amigos diretos do herói_ Guilherme de Saint Thierry, depois Arnaldo de Bonneval e, por fim, Godofredo de Auxerre (um aluno de abelardo de Bonneval e, por fim, que se tornou secretário do santo)_, é uma mina de documentos escolhidos com toda a seriedade: o Liber miraculorum, abundante em prodígios, prova até que ponto os contemporâneos o amaram.
    A Igreja ratificou em pouco tempo o juízo admirativo das multidões. Aquele que, enquanto vivo, o papa Inocêncio II denominava ” a muralha inexpugnável que sustenta a Igreja”, não merece ser incluído entre os santos? Assim fez o papa Alexandre III em 18 de janeiro de 1174, menos de vinte e um anos depois da morte do grande cisterciense, por meio de cartas apostólicas que deixam transparecer um verdadeiro fervor para com sua memória. Antecipando-se à decisão do século XIX, decidiu que na missa do novo eleito se usaria o Evangelho próprio dos Doutores da Igreja: Vos estis sal terrae, “vos sois o sal da terra”, e, pouco depois, em 1201, o papa Inocêncio III, compôs uma oração em que denominava Bernardo Doctor egregius.” “(…)” “No momento que expirou, diz a crônica, “viu-se aparecer à sua cabeceira e muito misericordiosa Mãe de Deus, sua padroeira especial; vinha buscar a alma do Bem-aventurado”. “(…)” (Rops, Daniel; A Igreja das Catedrais e das Cruzadas, Ed. quadrante, 2 edição, Capítulo III, pgs 133-134)

×

Powered by WhatsApp Chat

×