Os achados arqueológicos sobre a vida de Maria de Nazaré

Para os fatos narrados nas fontes citadas, existem amplos achados arqueológicos. Como vimos, os textos nos dizem que Maria nasceu em Belém, Nazaré e Jerusalém. Obviamente, apenas uma dessas localidades é a correta. Se Belém é um postulado da doutrina que fazia da Virgem um membro da Casa de Davi, não é um dado historicamente confiável por si só, e se a origem nazarena é baseada em documentos tardios, por sua vez influenciados pela ambientação lucana da Anunciação, a tradição de Jerusalém do Protoevangelo de Tiago do século II parece mais sólida, além de ser sustentada pelas memórias dos primeiros peregrinos. É na capital que se preservou a memória monumental do nascimento da Virgem.

Perto da Porta Probática, no Vale es-Sahireh, nos tempos dos Macabeus foi construída uma piscina geminada trapezoidal, com a leste um estabelecimento terapêutico chamado de Bezeta. A ele se acessava por um canal que desembocava em uma gruta natural original; a nordeste havia uma cisterna central cercada por banhos, salas pintadas e, aparentemente, uma habitação com grutas, que agora está sob as absides da igreja cruzada de Sant’Ana. Este ambiente era frequentado por enfermos (Jo 5,3) e por mulheres supersticiosas desejosas de fertilidade. Invocava-se Salomão como o grande curador em todas as fontes termais palestinas; praticava-se a magia branca com o anel do Rei, suas medalhas representando a tríade da saúde – ou seja, o santo cavaleiro que perfura Lilith e o Arcanjo Rafael que o protege – e seu selo. Apesar da polêmica rabínica contra esse culto, essênios e terapeutas o praticavam. O ritual convergiu depois no “Testamento de Salomão” do século III, publicado pelos judeu-cristãos, que assim o fizeram seu.

No Protovangelo de Tiago, no capítulo VI, lemos que Ana foi curada da esterilidade, merecida por algum pecado oculto, ao se dirigir à Piscina e que gerou Maria. Esta viveu em seu quartinho, transformado em uma domus ecclesia, que ainda se encontra na Gruta sob o coro da igreja cruzada e que remonta ao século I. O “Evangelho da Infância” do Pseudo-Mateus nos séculos IV-V supõe que Ana tinha uma casa na área mencionada. O Rolo de Cobre de Qumran atesta que perto da Piscina havia alguns esconderijos dos tesouros essênios – com uma afirmação que para alguns é simbólica e para outros real – e uma estrutura residencial, que provavelmente estava ligada ao bairro onde vivia a família da Virgem.

Com a destruição de Jerusalém em 70, o estabelecimento foi derrubado, mas o culto continuou a ser praticado. O nome da Piscina mudou para Bet Hesdatain, popularmente chamado de Bet Hesda – a Casa das Misericórdias – e o culto tornou-se sincrético a partir de 135, com as construções pagãs erguidas por Adriano (117-138) justamente para erradicar a memória judeu-cristã. O culto salomônico foi herdado pelos Parentes da Virgem, que o cristianizaram substituindo Jesus médico por Salomão e pelo Anjo, aos quais Ele é superior (Mt 12,42b; Jo 5,1.5-9): nas medalhas apareceu então seu busto junto ao cavaleiro com uma lança cruzada ou em atitudes cristãs; Maria, não mais objeto de milagre, foi associada ao Filho curador; Lilith foi substituída por várias diabinhas; o Anjo de Deus foi acompanhado por vários outros anjos da saúde. As cerimônias eram celebradas nas construções visíveis a leste após as escavações perto da Piscina do Norte: cisternas, uma ampla sala com mosaicos com cruzes florais, flores e frutos simbólicos, a base de um provável altar e armários embutidos na parede, além de uma gruta escavada na rocha com 10 m de comprimento e 2,50 m de largura.

Quanto ao culto pagão adriano, centrou-se no Serapeu construído no local, seguindo o modelo de muitos outros edifícios semelhantes espalhados pelo Império. Era um complexo quadrado, depois desmantelado pelos Bizantinos, a leste do pórtico transversal e do grande tanque sul. Nele havia cisternas adaptadas, galerias esculpidas na rocha, um amplo edifício ainda não completamente escavado, uma favissa com restos de sacrifícios. Neste complexo havia um Serápis, agora em fragmentos, venerado no naós do estabelecimento, ou seja, a gruta natural original; uma mulher se despindo e outra deitada em um sofá, inclinada sob uma mão abençoante; dois navios de carga que se harmonizam com o culto de Ísis; dois pés votivos. O local era consagrado à tríade pagã da saúde, formada por Serápis/Asclépio, Ísis/Hígia, Harpócrates/Telesforo, que deveriam suplantar as tríades judaica e judeu-cristã. Em sua honra praticava-se a magia negra, o horóscopo, o calendário lunar e a hidromancia.

Constantino (306-337) proscreveu, em 319, a magia negra pagã, mas tolerou a magia branca dos judeu-cristãos. A Grande Igreja, no entanto, polemizou tanto contra o culto pagão quanto contra o culto judeu-cristão, ordenando o desmantelamento primeiro do edifício adriano e depois do edifício judeu-cristão, no primeiro quarto do século V. Eles foram substituídos pela grande Basílica do Paralitico, recentemente redescoberta, e pela de Santa Maria, cujas naves laterais ultrapassavam os limites do quinto pórtico da Piscina, apoiadas em colunas que afundavam nos tanques, identificando-se evidentemente com os edifícios e grutas descobertos sob a cripta da igreja cruzada. As hidrias e o anel salomônico foram transportados e venerados na Basílica do Santo Sepulcro.

João Damasceno é o primeiro a falar claramente, no século VII, da Casa onde Maria nasceu, perto da Piscina de Betesda. Mas já Teodósio havia, em 530, feito referência a uma igreja dedicada à Virgem naquele local. Na época das Cruzadas, os dois tanques da Piscina foram preenchidos e a Igreja de Santa Maria foi transformada em mosteiro, enquanto um pouco mais a leste foi construída a Igreja cruzada de Sant’Ana, que, como mencionado, conserva sob si a Casa da Virgem.

Conectada a essa memória está também a tradição da educação da Virgem no Templo. O Protovangelo de Tiago, como vimos, atesta a consagração de Maria Menina e sua vida no lugar sagrado no Colégio das Virgens Tecelãs. A veracidade do que é extraído dos relatos antigos foi confirmada por D. Flusser e S. Safrai. Justiniano, no local onde se acreditava que a Virgem foi educada, ergueu a Basílica chamada Néa, depois destruída pelos persas em 614. As escavações permitiram precisar que o edifício, de oitenta e dois por sessenta e cinco metros, com um hospício adicionado e outras dependências, era um dos mais importantes da era bizantina na Palestina.

Seguindo agora o fio dos relatos evangélicos, nos deslocamos para Nazaré. A própria cidade já é uma descoberta arqueológica, visto que sua existência foi por muito tempo questionada. Nos tempos de Jesus, Nazaré era um vilarejo muito pequeno, com uma população máxima de cento e cinquenta pessoas, aos pés das colinas da Baixa Galileia. Nunca antes havia sido mencionada na Bíblia. Os habitantes eram todos descendentes de Davi (1000-961 a.C.) e se chamavam Nazarenos (Ναζωραίοι; םידצןנ), para cumprir Isaías 1,1, onde se diz que um rebento (nezer רצנ) brotará das raízes do tronco de Jessé. Os davídicos retornaram em ondas à Palestina desde 520 a.C. com Zorobabel, continuando com Esdras em 457 a.C. e chegando até o século II a.C. Foi justamente no final desta época que Nazaré foi repovoada, cujo nome original nos é desconhecido, tendo sido abandonada em 733 a.C. na época da invasão dos assírios. Os imigrantes vinham da Babilônia; aproveitaram a conquista asmoneia da Galileia para um êxodo mais massivo. As escavações de fato mostram uma continuidade de assentamento a partir dessa época. Os clãs davídicos que chegaram da Babilônia durante a independência asmoneia se estabeleceram primeiro em Batanéia (ou Basã) para depois se mudarem para Nazaré. Júlio Africano (c. 220 d.C.), natural de Emaús, informa-nos que os descendentes de Davi viviam em vilarejos com nomes messiânicos, como Nazaré (“vilarejo do Rebento”) e Kochaba (“vilarejo da Estrela”). Dois vilarejos – um ao norte de Nazaré e um no Basã – levavam este último nome. O mesmo autor nos informa que os davídicos conservavam as genealogias de suas descendências. Eles aguardavam devotamente que o Messias surgisse de suas fileiras. José, natural de Belém e ainda residente lá (como demonstra a viagem que ele fez para ser recenseado naquela cidade e não em Nazaré), e Maria eram, portanto, nazarenos. Os davídicos tinham um forte senso de sua própria realeza, embora decadente: prova disso é que as construções de Nazaré tinham uma necrópole relativamente próxima, a despeito das normas tradicionais de pureza, pois, como atesta o Talmude, elas podiam ser desconsideradas para sepulturas reais. Essas tumbas, em alguns casos, eram de refinada feitura romana.

Em Nazaré, a tradição da Casa de Maria, onde ocorreu a Anunciação, atestada pelo Evangelho de Lucas (1,26-38) e preservada pelos “Parentes da Virgem”, foi confirmada pelas escavações realizadas entre 1950 e 1960. O culto começou com uma domus ecclesia, na qual estavam inseridos os restos de uma casa, ou seja, grutas, silos, tanques, escadas originais, todos embelezados nos primeiros dois séculos com pinturas, grafites e mosaicos; no século II, tudo se tornou um ambiente batismal. Um fragmento de targum de Isaías 55,1.3, paleograficamente datado dessa época, atesta o culto ao “poço de Maria”, de onde jorrou o riacho salutar do Verbo Encarnado. No século III, sobre a domus ecclesia, os Nazarenos edificaram uma sinagoga judeu-cristã, da qual resta toda a parede sul e o início da parede leste, que se dirigia ao norte para englobar a rocha cortada da gruta tradicional. Na preenchimento, permaneceram vários elementos arquitetônicos como ombreiras, cornijas, arcos, capitéis, bases com ranhuras para transepts, bases de colunas do altar, símbolos e grafites marianos, entre os quais destacam-se as inscrições de XĒ MAPIA e da peregrina que afirma ter escrito seu nome sob o “lugar sagrado de M” e ter venerado sua imagem.

Por volta de 430, os bizantinos chegaram a Nazaré e, provavelmente apoiados pelo Imperador, tomaram a sinagoga dos judeu-cristãos, a demoliram e a substituíram por sua Basílica. Ela teve como plataforma os elementos da construção antiga. As Grutas sagradas foram preservadas, o muro sul foi usado como estilóbato após ser decapitado, o ábside foi colocado a leste e duas naves foram erguidas, englobando na nave norte a Gruta tradicional. Esta Basílica foi visitada pelos peregrinos como a Casa de Maria transformada em igreja, desde o Anônimo piacentino até Arculfo e Beda, o Venerável, entre outros. Um dado significativo é que as fundações do ambiente desta Casa de Maria, onde presumivelmente ocorreu a Anunciação, correspondem perfeitamente às Muralhas preservadas no Santuário da Santa Casa de Loreto. Em Nazaré, Epifânio de Salamina fala-nos da Casa de José, o lugar onde Jesus foi criado. A tradição foi transmitida pelos “Parentes de José”, que defenderam vigorosamente seus direitos de posse sobre o local, impedindo por séculos o acesso dos cristãos convertidos de outras origens. Somente em 670 Arculfo pôde visitá-lo e descrevê-lo como um edifício parcialmente construído sobre arcos e que na cripta conservava um poço e uma gruta “muito luminosa” – como a define um Anônimo citado por Pedro Diácono – e todo um ambiente batismal segundo o ritual judeu-cristão. As escavações de 1970, dirigidas por Bellarmino Bagatti, confirmaram as notícias tradicionais e dataram o ambiente do século I. Esta é a morada onde Jesus passou sua vida oculta, com Maria e José.

Seguindo o fio dos eventos evangélicos, devemos considerar ‘Ain Karem, o local do nascimento de João Batista, visitado por Maria, como atesta Lucas (1,39-56). Os fatos narrados no Evangelho e no Protovangelo de Tiago são ambientados na região de Judá chamada Orini, um triângulo montanhoso entre Jerusalém e os wadi de es-Sarar e es-Sikka, com ‘Ain Karem no centro. Era uma região virgem e hospitaleira, onde Isabel teve, a meio caminho da encosta, uma casa de retiro, onde se escondeu por cinco meses para agradecer a Deus por tê-la libertado da esterilidade (Lc 1,25). Ela também possuía uma gruta, que no relato do Protovangelo (22,3) se abriu milagrosamente para abrigar Isabel e João, perseguidos pelos soldados de Herodes (37-4 a.C.) durante a Matança dos Inocentes. Ao pé do monte estava a Casa de Zacarias, onde Maria chegou quando foi visitar a prima. Esses locais foram identificados arqueologicamente.

Em 1973, o padre Bagatti, sob a cripta da moderna Igreja da Visitação, encontrou uma casa romana, com lagar, um poço escavado na rocha, tumbas helenísticas, várias moedas romanas dos tempos de Nero aos de Constantino e muita cerâmica romana. O poço está na gruta que teria se iluminado para dar refúgio aos fugitivos. Escavações ocasionais de 1885 e depois sistemáticas de 1941-1942, dirigidas por S. Saller na tradicional Casa de Zacarias, trouxeram à luz uma domus ecclesia, localizada em uma gruta, o local tradicional do nascimento de João Batista, e vários acessórios de uma casa romana, sob o atual pórtico, como um lagar, cisternas e tumbas romanas, incluindo uma dupla.

Esses lugares foram sacralizados pela comemoração judeu-cristã de Isabel, João e Maria, unidos em uma verdadeira tríade cultual. Uma prova de reforço é dada pela habitual profanação adriana, que substituiu os três personagens cristãos por outros pagãos ligados por nexos igualmente sólidos, a saber, Esmirna, Adônis e Vênus Pudica. Esmirna, concebendo irregularmente um filho, refugia-se no jardim de Vênus, permanecendo cinco meses atrás de uma árvore de mirra que derrama lágrimas amargas. Protegida por Vênus Genitrix, gera Adônis, que Prosérpina quer matar usando um javali. Entre Vênus e Prosérpina chega-se, porém, a um compromisso: Adônis ficará no submundo no inverno e o resto do ano com a Deusa do amor, que lamenta sua ausência. Durante essas lamentações, por três dias são celebradas as Adônias: no primeiro dia, o jardim na Casa de Adônis floresce e depois é jogado dentro de uma cisterna com pedaços da estátua do deus; no segundo dia, esperam-se, na gruta de Adônis, os membros dilacerados do deus e sua cabeça decepada, enquanto as tiasídias, perto do simulacro de Vênus Pudica, fazem as lamentações; no terceiro dia, todos vão ao pátio da apoteose e celebram a ressurreição do deus da vegetação.

Em vista desse culto – no qual a narrativa neotestamentária é conscientemente e evidentemente transfigurada e contaminada em sentido polêmico – Adriano plantou um bosque sagrado em Orini, construiu a Casa de Adônis, escavou a gruta dupla e ergueu o pátio da apoteose sobre as antigas paredes dos acessórios da Casa de Zacarias. De fato, o padre Saller encontrou ali numerosos elementos romanos, datados dos séculos III e IV, restos adaptados da obra de Adriano.

Constantino destruiu os edifícios pagãos e, assim, os motivos cultuais dos judeu-cristãos voltaram a ter destaque: na montanha de Orini, os bosques de Vênus e Prosérpina foram erradicados e a Casa de campo de Isabel foi restaurada. A gruta foi revestida com pedras, pintada e preenchida com grafites; o poço foi regularizado com alvenaria e conectado a uma cisterna fora da cripta por um canal; em frente à gruta, para preservar a Casa romana, foi erguida uma pequena igreja para venerar a pedra chamada do Esconderijo, que lembrava a Rocha do Refúgio, de onde se retiravam elogios e terra para obter bênçãos.

No local onde se situavam a Casa de Zacarias, a Casa de Adônis e seu bosque, tudo foi completamente destruído; à vegetação adoniana substituiu-se o Jardim de João, que “cresce em todo lugar onde ele batiza”, segundo a expressão feliz de Enon de Scitópolis na citação de Etéria. Na câmara funerária de Adônis, em sua gruta e no pátio de sua apoteose, foram construídas duas capelas, uma dedicada aos Mártires – com um magnífico mosaico em homenagem à Cabeça do Batista – e uma ao sul – enriquecida com mosaicos com símbolos de glorificação. Nelas eram celebradas três Missas, em honra de João e de Maria, fertilizadora das colheitas, das sementes e das vinhas. Assim ocorreu a reversão definitiva: Esmirna foi suplantada por Isabel, Adônis por João e Vênus por Maria. Isso no local onde Maria visitou a prima e ficou com ela até o parto.

Related Articles

Arqueologia da Dormitio Mariae (Assunção)

Descubra a história e os locais associados à Dormição de Maria, desde a Igreja da Tumba da Virgem até os diversos relatos e achados arqueológicos em Jerusalém. Saiba mais sobre a vida da Virgem após a Ressurreição de Jesus e as evidências históricas que corroboram esses eventos.

A arqueologia da casa de Belém

Explore a autenticidade das narrativas de Mateus e Lucas sobre o nascimento de Jesus em Belém. O artigo analisa as referências a casa, manjedoura e caverna, harmonizando textos bíblicos e dados arqueológicos. Descubra as evidências históricas e proféticas que sustentam esses relatos, além do papel das descobertas arqueológicas em Nazaré e Belém na compreensão do contexto do nascimento de Cristo.

As fontes históricas sobre Maria: Bíblia e Apócrifos

A investigação sobre o Jesus histórico pode e deve ser acompanhada por uma paralela sobre os personagens principais de sua vida, como Maria, a Mãe de Jesus, recentemente definida como a mulher mais importante e de maior sucesso da história humana. Sua presença é efetiva nas artes, literatura, cultura alta e popular, e até mesmo em fenômenos sobrenaturais, tornando-a extraordinariamente atual.

Responses

Open chat
Necessita de ajuda?
Ave Maria,
como a poderei ajudar?