Maria poderia ter dito não?

Maria, a mulher verdadeiramente livre

Maria vive e realiza sua liberdade ao se entregar a Deus e acolher o dom de Deus. Os Sumos Pontífices repetidamente apresentaram Maria de Nazaré como a expressão suprema da liberdade humana na cooperação do ser humano com Deus, que, no sublime evento da encarnação do Filho, confiou ao ministério livre e ativo de uma mulher. A convergência entre os dados da fé e os dados das ciências antropológicas, quando estas voltaram sua atenção para Maria de Nazaré, tornou mais claro que a Virgem é ao mesmo tempo a mais alta realização histórica do Evangelho e a mulher que, por seu domínio de si mesma, senso de responsabilidade, abertura aos outros, espírito de serviço, força e amor, realizou-se mais plenamente no plano humano. Toda a vida de Maria foi um “sim” livre, corajoso e confiante a Deus. Neste “sim“, podemos descobrir o segredo de sua liberdade e, portanto, de sua humanidade plenamente realizada.

Como afirmou Bento XVI: “ao se apresentar em total dependência de Deus, Maria expressa na verdade uma atitude de plena liberdade, fundamentada no pleno respeito por sua dignidade“. O “sim” de Maria nasce da reflexão profunda e consciente dentro de sua consciência. A partir desta reflexão, surge seu “eis-me aqui“, totalmente livre à Palavra de Deus, compreendida e, portanto, aceita. O próprio Pontífice escreve: “ela fala e pensa com a Palavra de Deus; a Palavra de Deus se torna sua palavra, e sua palavra nasce da Palavra de Deus. Assim, também se revela que seus pensamentos estão em sintonia com os pensamentos de Deus, que sua vontade é uma vontade em conjunto com Deus. Sendo intimamente penetrada pela Palavra de Deus, ela pode se tornar mãe da Palavra encarnada“.

Esta constante meditação ajuda Maria a superar sua própria individualidade e a se abrir para a compreensão e aceitação na fé do plano misterioso de Deus que a quer, ao lado de Cristo, como Mãe, Companheira e Discípula, confiando-lhe uma missão universal. Maria se torna cada vez mais consciente de que cada um de seus atos e escolhas envolve toda a humanidade, e é nessa consciência que está o próprio fundamento de sua liberdade, plena realização, glorificação e realeza. Na experiência de vida de Maria, portanto, descobrimos o encontro pleno entre duas liberdades: a expressão mais alta e autêntica da liberdade humana, ou seja, a liberdade de escolher definitivamente o caminho da Verdade, e a manifestação mais surpreendente da liberdade divina que expressa o profundo e ardente desejo de Deus de estabelecer, em Cristo, uma relação de amizade com o homem.

Testemunhamos a maravilhosa e inefável fusão de dois “sim“, o divino e o humano, cujo fruto é a plenitude da nova vida em Cristo, o Deus-Homem do eterno “sim” ao Pai. “Jesus de Nazaré é o fruto da absoluta liberdade de Deus que, em sua infinita bondade, decidiu estabelecer com sua criatura uma relação de amizade. O “sim” de Maria se insere, naquele “sim” definitivo e fundador que é a salvação de Cristo, como nos lembra São Paulo: “o Filho de Deus, Jesus Cristo, que pregamos entre vós, não foi “sim” e “não”, mas nele houve o “sim” “(2 Cor 1,19). A liberdade de Maria e a verdadeira humanidade nascem deste encontro: a humanidade realizada!

Maria, paradigma de racionalidade, liberdade e fé

Na Carta Encíclica Redemptoris Mater, o Papa João Paulo II escreve: “totalmente dependente de Deus e inteiramente orientada para Ele pelo impulso da fé, Maria, ao lado de seu Filho, é o ícone mais perfeito da liberdade e libertação da humanidade e do cosmos“. Em Maria, a verdadeira mulher, inocente e livre de qualquer alienação, brilham juntas as qualidades sinceras da verdadeira humanidade e da verdadeira fé, que cada ser humano, chamado ao renascimento em Cristo, onde o plano original de Deus para sua criatura se traduz em realidade, deve possuir e praticar.

A Revelação de Deus, que chama para a verdadeira plenitude, impulsiona o homem e a mulher a realizar sua libertação seguindo o exemplo do “sim” da Mulher de Nazaré. Fazendo ecoar um “sim” idêntico em suas vidas, eles descobrem, como Pascal afirmou corretamente, que “o homem supera infinitamente o homem“, que os anseios mais profundos de seus corações são ilimitados e que ele é feito para viver na liberdade de Deus, que é o Amor de Deus em si mesmo. Respondendo a Deus com seu ato consciente de liberdade, como Maria fez, o ser humano se encaminha para sua realização plena e completa, voando com as asas da fé e da razão em direção ao pleno conhecimento da Verdade.

A liberdade humana é o poder do homem de se autodeterminar, de ser o autor de suas próprias ações, respondendo à atração dos valores que o aperfeiçoam, o realizam plenamente como espírito e como espírito no mundo. A essência da liberdade é poder caminhar em direção à plenitude do Bem, aderir a ele, amá-lo sem restrições externas e internas. No confronto com o Bem, a liberdade encontra-se em seu elemento, alcança sua plena realização, reconhece a si mesma plenamente. Afastando-se dessa perspectiva de realização plena, o homem não é mais livre, mas se autodestrói, não se realiza, não atinge sua plenitude.

O homem contemporâneo, sobrecarregado pelo subjetivismo, parece incapaz de compreender e viver sua verdadeira liberdade dessa maneira. Seu conceito de liberdade, de fato, reivindica a absolutização do eu, ou seja, a capacidade de se bastar a si mesmo, prevalecer sobre os outros e não mais precisar de Deus. Maria ensina que não é na divinização da subjetividade que encontramos nossa verdadeira liberdade, mas sim no confronto aberto e consciente com o Outro, tornando-se Parceiro compreendido e aceito para um autêntico diálogo de vida. Diante dos muitos mal-entendidos modernos sobre o que é e onde reside a liberdade, Maria nos mostra que a verdadeira liberdade, aquela que verdadeiramente nos realiza pessoalmente e nos torna construtores de um mundo mais justo e equilibrado, é a liberdade que se baseia firmemente no conhecimento e na aceitação, sem reservas, de Deus – a Verdade – o Amor, que se tornou Cristo, o único Libertador e Salvador do homem.

Envolvida como uma mulher plenamente livre e ativa no projeto revolucionário da salvação, Maria proclama ao mundo que somente o poder redentor de Deus faz justiça a cada homem e o liberta das cadeias de suas múltiplas escravidões. No Documento Apostólico Marialis Cultus, o Papa Paulo VI escreve:

«Maria de Nazaré foi tudo menos uma mulher passivamente submissa ou de uma religiosidade alienante, mas uma mulher que não hesitou em proclamar que Deus é o vingador dos humildes e oprimidos, e que derruba dos seus tronos os poderosos do mundo (cf. Lc 1,51-53); uma mulher forte, que conheceu a pobreza e o sofrimento, o exílio e o desterro (cf. Mt 2,13-23): situações que não podem escapar à atenção daqueles que desejam seguir com espírito evangélico as energias libertadoras do homem e da sociedade. É evidente como a figura da Virgem não decepciona algumas profundas expectativas dos homens de nosso tempo e lhes oferece o modelo completo do discípulo do Senhor: artífice da cidade terrena e temporal, mas peregrino diligente em direção à celestial e eterna; promotor da justiça que liberta o oprimido e da caridade que socorre o necessitado, mas acima de tudo testemunha operosa do amor que constrói Cristo nos corações».

Ao homem contemporâneo, muitas vezes atormentado entre a angústia e a esperança, prostrado pelo sentido de seus limites e assaltado por aspirações ilimitadas, perturbado na mente e dividido no coração, com a mente suspensa diante do enigma da morte, oprimido pela solidão enquanto anseia por comunhão, presa do tédio e da náusea, a Bem-Aventurada Virgem Maria oferece uma visão serena e uma palavra tranquilizadora: a vitória da esperança sobre a angústia, da comunhão sobre a solidão, da paz sobre a perturbação, da alegria e da beleza sobre o tédio e a náusea, das perspectivas eternas sobre as temporais, da vida sobre a morte.

Conclusão

Que Maria, a verdadeira mulher, imagem do mundo feminino, ajude as mulheres e homens de nosso tempo, nesta árdua transição de uma era antropológica para outra, a não se perderem no vazio, mas a saberem encontrar os caminhos certos para abrir-se ao conhecimento de Deus e interpretar a vida com as categorias delicadas e fortes, conscientes e decididas de sua feminilidade. Neste mundo tão superficial, marcado pela intemperança e pelas distorções da razão, Ela, imagem não apenas da mulher nova, mas da nova humanidade preservada das miragens das falsas libertações, ensine-lhes como serem verdadeiramente livres.

Maria, mulher sem retórica, cuja grandeza sobrenatural está suspensa no rápido tremor de um “sim“, guie todos nós a encontrar ou reencontrar na brevidade de um “sim” dado a Deus, o vasto mar do amor. Precisamente Ela, a Virgem da manhã, na qual tudo é humanidade e tudo é fé, tudo é meditação e tudo é resposta, nos acompanhe ao longo das curvas de nossa vida , além dos abismos do nada e nos transforme em pessoas verdadeiramente livres, em direção ao esplendor da Luz da Verdade.

Related Articles

Maria, mulher livre porque cristã

Neste artigo, exploramos as reflexões finais da Carta Encíclica Fides et Ratio, onde o Papa João Paulo II discute a profunda relação entre fé, razão e liberdade, destacando Maria como um modelo de mulher completa, racional e cristã. Descubra como a harmonia entre fé e razão é essencial para a busca da verdade e o papel inspirador de Maria nesse contexto. Leia mais para entender a conexão entre a Virgem Maria e a busca pela Verdade em nossa existência.

Mestra e modelo da fé

Neste artigo, exploramos a realidade materna de Maria e sua profunda conexão com o mistério de Cristo. Descubra como Maria nos ensina a receber a Palavra, gerá-la, apresentá-la ao mundo e mantê-la em nosso coração. Ela é tanto mestra quanto modelo para os cristãos, oferecendo um guia para viver uma vida de fé, amor e serviço a Deus. Através do exemplo de Maria, compreenda como a fé pode ser uma resposta pessoal e transformadora, levando-nos a uma verdadeira liberdade e plenitude. Explore a influência de Maria em nossa jornada espiritual e como ela nos conduz a um encontro significativo com Deus.

O que é a verdadeira caridade com Maria?

Explore a essência da caridade cristã através da figura inspiradora de Maria. Neste artigo, mergulhamos na teologia e na prática da caridade, vendo como Maria, como ícone da caridade, nos ensina a amar e servir com humildade e compaixão. Descubra como sua vida exemplifica o amor incondicional por Deus e pelos outros, desafiando-nos a viver a caridade não apenas como uma virtude, mas como um modo de vida.

Maria mestra da peregrinação cristã

Neste artigo, exploramos como Maria nos ensina a contemplar as maravilhas do amor de Deus, nossa liberdade em fazer escolhas, a importância de levar Jesus em nossos corações, a docilidade ao Espírito Santo, e como ser animado pelo amor. Também discutimos a confiança em seu coração materno e seu papel na nossa jornada espiritual.

Mãe de Deus, morada do Verbo

Este artigo explora a profunda conexão entre a encarnação de Cristo e o papel de Maria na revelação de Deus. Descubra como Maria, ao aceitar prontamente o chamado divino, tornou-se fundamental na manifestação e glorificação de Deus na história, revelando o significado da carne humana como a “energia” e a “justiça” de Deus em ação. Uma exploração teológica que destaca a importância da Virgem Maria na compreensão cristã da encarnação e da salvação.

Responses

Open chat
Necessita de ajuda?
Ave Maria,
como a poderei ajudar?