Maria na Igreja da Ucrânia

Tempo de leitura: 6 minutos

Maria na Igreja da Ucrânia

“Só o nome da Theotokos, da Mãe de Deus, contém todo o mistério da economia da salvação” – diz São João Damasceno.

Uma breve história

O culto da Mãe de Deus tem seu início na Rus de Kiev, hoje Ucrânia, a partir do momento em que o grande príncipe São Vladimir foi batizado com seu povo, recebendo a fé cristã trazida de Constantinopla. As crônicas mais antigas da época descrevem o amor filial e a confiança em Nossa Senhora, manifestada pelos príncipes, o clero e o povo fiel. Por exemplo, em Kiev, que é a capital, existem muitas igrejas em honra da Mãe de Deus. Destas Igrejas 20% são dedicadas a Nossa Senhora!

A devoção manteve-se constante mesmo nos séculos mais tristes da história. A liturgia tradicional é a bizantina, que é predominantemente mariana. Os fiéis sentem a Theotókos presente na igreja com invocações como: 

  • a Rainha do mundo
  • a Medianeira
  • a Esperança dos desesperados
  • a Arca viva de Deus,
  • a Glória de todo o universo,
  • a líder invencível,
  • o refúgio dos pecadores.

À medida que a doutrina de Jesus Cristo foi anunciada, a Virgem Maria tomou cada vez mais posse dos corações dos ucranianos. O culto mariano desenvolveu-se maravilhosamente nas cortes dos príncipes, entre o clero e entre o povo. 

Qual a sua importância? 

Podemos deduzir esta importância da tradição ainda viva na liturgia, nos ícones milagrosos, na arquitetura das Igrejas e na literatura religiosa. A piedade mariana se difundiu cada vez mais entre o povo, mesmo nos séculos seguintes da história ucraniana, apesar de ter passado por várias vicissitudes negativas em seu desenvolvimento.

Kiev-Rus’ era um país muito grande, com grandes igrejas bizantinas, que foram construídas pelos monarcas: Jaroslav, Danilo, Volodymyr.

Em 1240 os Tártaros devastaram toda a Europa Oriental, a cidade de Kiev foi conquistada e destruída ainda que esta permanecesse o berço da cultura mariana.

Maria na tradição litúrgica

Maria na liturgia bizantino-eslava ocupa o lugar central ao lado de seu Filho Jesus Cristo. Maria é invocada e louvada na liturgia, nos cânones litúrgicos, nos ofícios marianos (Moleben), nas orações dos fiéis e no ano litúrgico, que tem várias festas dedicadas ao seu nome. O culto da Virgem Maria no povo da Rus’-Ucrânia logo foi profundamente recebido com todas as prerrogativas e atributos, sem que houvesse uma controvérsia teológica, como acontecia então entre outros povos. O povo já cantava à Virgem Maria, invocando-a: “É justo invocar-te bem-aventurada, ó Deipara, toda imaculada e Mãe do nosso Deus. Nós te engrandecemos, que és mais honrosa que os Querubins e incomparavelmente mais gloriosa do que os Serafins: Tu, que sem corrupção destes à luz o Verbo Deus, Tu, verdadeira Mãe de Deus “(canto na liturgia da Missa -” Dostojno jest ‘… “).

A Virgem Maria é aclamada “toda santa, toda pura, imaculada e sem corrupção”; Mãe de Deus e mãe dos homens. Ela é reconhecida com o culto da hiperdulia, ou seja, mãe do Senhor, que está acima dos Anjos e Santos. 

Os Accafistis

A originalidade mariológica da Ucrânia encontra-se nos cânticos religiosos, chamadas de Accafistis, publicados no mosteiro das Grutas de Pecerska Lavra em 1606 e 1625. São uma coleção de cânticos marianos, que são cantadas nos mosteiros e igrejas da Ucrânia, traduzidos do grego e adaptados às necessidades da Igreja ucraniana. O culto mariano já desenvolvido no Ofício Bizantino, entrou plenamente na Metrópole de Kiev, tanto nos “Polunoscnyci” (Matinas), “Utrennia” (Laudes), onde nos versos do Magnificat “Velycyt dusa moja Hospoda” ; na Hora Intermédia recitam-se as “Tropários” e “Kondakì”, correspondentes à Virgem; nas “Vecirnia” (Vésperas), em que o Tropàrio “Ave Maria” e “Pid tvoju mylost” (sub Tuum praesidium) são cantados durante a Quaresma; assim também nas Completas a Mãe de Deus é invocada para o perdão dos pecados. Temos também o cânone particular cantado à Virgem da “Odygytria” (Aquela que indica o caminho).

Neste ofício eslavo está contida toda a riqueza teológica e espiritual, a manifestação da glória de Maria, da qual o monge ou o fiel enriquece seu espírito religioso e se eleva para uma maior confiança e gratidão à Mãe de Deus.

Além da liturgia encontramos orações e cânticos religiosos em honra da Virgem Maria desenvolvidos no culto mariano, composto por homens da Igreja de diferentes graus para diferentes ocasiões.

Nas horas da angústia toda a população foi confiada à proteção da Virgem Maria, como fortaleza segura contra os inimigos, pois nestes casos só Deus e Sua Mãe poderiam salvá-los da destruição, como afirma uma fonte histórica, que atribui as palavras ao príncipe Mstyslav (1125-1139): “A lipo ny bylo, brate, uzyjasse na Boziju pomoc i na molytvu Sviatyja Bohorodycy” (Ó irmão, não seria melhor recorrer à ajuda de Deus e à oração da Santa Mãe de Deus).

Outra forma de manifestação mariana eram os hinos religiosas, compostos por poetas e cantores das cortes dos monarcas em homenagem à Virgem Maria. Vários são conhecidos, entre os quais as canções de Natal (chamadas “Koladky” – do lat. Calendae), que eram cantadas durante o Natal. Existem registos deste cânticos na Rus’-Ucrânia desde o século XII e provavelmente vieram das colônias romanas de Quersonese, perto do Mar Negro. Nessas canções de Natal, indica-se a teologia mariana da maternidade divina, seu lugar na redenção e na economia divina, segundo os desígnios estabelecidos por Deus. Uma particularidade está na apresentação da função materna da Virgem substituindo a função das deusas pagãs, cantadas pelos povos que viviam na Rus-Ucrânia antes de aceitar o cristianismo. Portanto, as canções de Natal (“Koladky”) eram uma fonte de meditação para os fiéis; para o clero culto e a nobreza ucraniana, um despertar espiritual de alegria e felicidade pela obra realizada por Deus através da Virgem Maria.

Os ícones milagrosos na Ucrânia

O primeiro ícone milagroso remonta ao século X na igreja da Assunção, chamada “Desiatynna”. 

Um segundo ícone da Virgem Maria é o chamado “Orante”, que se encontra na igreja de Santa Sofia em Kiev, localizada na abside do “Sancta Sanctorum”, razão pela qual a parede é chamada de “Nerusyma” (indestrutível) (séc. XI). 

Outro ícone da Virgem Maria chamava-se “Odigytria”, ou seja, aquela que indica o caminho, no sentido espiritual Maria é a guia do povo cristão para Deus. A tradição conta que foi pintado pelo evangelista São Lucas. Foi doado pela Imperatriz Anna para San Vladimir. Em 1111 foi trazido para Smolensk. Este ícone representa a Virgem com o Menino Jesus nos braços com o olhar voltado para quem a contempla. Tem um caráter majestoso, enfatizando particularmente a divindade do Menino. 

O famoso ícone da “Pyrohosca” foi tradicionalmente atribuído ao evangelista São Lucas. Em 1131 foi trazido de Constantinopla para Kiev por um mercador chamado Pyrohoscca. O príncipe Mstyslav construiu uma igreja em Vyshorod, a residência dos príncipes, onde estava localizada. Em 1155 o príncipe André Boholubskyj, depois de ter conquistado a cidade de Kiev, levou consigo este ícone e trouxe-o para a cidade de Vladimir, onde permaneceu até 1395; em 1514 foi levado para Moscou, onde atualmente está localizado na Galeria Troitzka. Lorde Robert Byron, depois de a ter contemplado no ano de 1933, escreveu: Esta é uma das raras pinturas, onde a fórmula religiosa se tornou o instrumento da manifestação dos sentimentos humanos, o que só é possível para uma grande arte: A mãe acaricia seu filho, suas bochechas se tocam, os dedinhos do bebê acariciam seu pescoço… Nesses olhos negros e na boquinha triste vivem eternas tristezas e alegrias, todo o destino do homem. Tal imagem só pode encher os olhos de lágrimas e a alma de paz. Não conheço outro ícone, que fosse do mesmo nível artístico.

O ícone milagroso chamado “Svinska” foi pintado pelo monge Alypij no Pecerska Lavra. A partir desta imagem, o príncipe romano Bryanskyj obteve a graça de recuperar a visão. Agora está localizado em Rostov. Este ícone também foi chamado Ihor Ohelovyc, porque antes de morrer (19/09/1146) ele rezou diante dele. A característica deste ícone está na posição da Mãe e do Filho numa profusão de ternura. É por isso que é chamado de “Umelenja” (o Enternecimento). A imagem da Virgem é representada com o Filho – em seu braço direito com um rosto pensativo; o Filho estende os braços para o pescoço da mãe e encosta o rosto no da mãe.

O ícone milagroso de Polock também é chamado de “Eufrosina”. Foi trazida de Éfeso (século XII), uma cópia das do evangelista San Luca, para o mosteiro feminino, fundado por Eufrosinia. Em 1260 o príncipe da Galizia, Daniel a levou para Lviv, onde permaneceu no mosteiro de Basilian e depois foi levada para Belz e em 1382 ela se encontrou em Czestochowa. No mosteiro de Nyzhorod há um ícone milagroso trazido por volta de 1092 por Quersonese, pintado pelo monge Simeão. Outro ícone reverenciado pelo povo ucraniano, chamado “Zarvanyclca”, remonta ao século XII. A igreja onde o ícone de yenne foi mantido, foi destruída pelo fogo, mas o ícone permaneceu ileso. A tradição popular venera os ícones “Zydacivska” (século XV), “Blacherna”, “Stradecka” (século XIII).

Não faltam santuários, onde aparece a Virgem Maria, como em Kolomyj, cuja igreja foi destruída pelos tártaros. Uma segunda aparição é indicada em Pocaiv, onde Nossa Senhora apareceu pela primeira vez em 17 de abril de 1198 e uma segunda vez em 1260. Pocaiv é o centro mariano de peregrinações contínuas tanto dos ortodoxos quanto dos católicos ucranianos.

Maria como figura moral do povo

Para compreender a influência que Maria exerceu sobre o povo ucraniano, é necessário conectar o conceito teológico de sua maternidade em função da Igreja de Cristo. Maria cumpre a função de participação materna na Igreja, como fez com seu Filho quando criança. Os homens diante de Deus se sentem como filhos e, portanto, precisam da Mãe que intercede por eles, os escuta e os ajuda. Por isso os príncipes, o clero, os monges e o povo simples recorreram a ela, porque nela encontraram o lugar da sabedoria, santidade, castidade e virtude de Deus personificadas em sua humanidade.

Maria é, portanto, o coração da Igreja, é o triunfo sobre o mal, é a mais casta, a mais pura, é a protetora e a consoladora. O amor da Virgem Maria não só por seu Filho, mas também pelo povo cristão era uma convicção geral entre todos. Por isso, mais frequentemente, em vez de ser chamada de Rainha, Senhora, ela era chamada pelo povo de “Mãe”. Neste culto materno desenvolveu-se a maternidade humana, enriquecendo positivamente o conceito teológico, como um bom ato, querido por Deus; a função de mãe e esposa fiel ao marido, como a Igreja é fiel a Cristo – segundo o ensinamento de São Paulo aos Efésios – completa o conceito de mãe dos cristãos, que tudo pode com seu Filho Jesus Cristo .

Related Articles

Responses

Open chat
Necessita de ajuda?
Ave Maria,
como a poderei ajudar?