HIPÓLITO ROMANO

Tempo de leitura: 6 minutos

HIPÓLITO ROMANO (m. 235)

Ao longo da história da Igreja muitos relataram que Hipólito era um sacerdote de Roma do século III, mesmo que fosse considerado um nativo do Oriente helênico e um discípulo de Irineu. Escritor da língua grega de engenhosidade versátil, tomou uma posição clara contra a insurgência fervilhante das heresias, intrometeu-se nas controvérsias da Sé romana, da qual se destacaria como antipapa por um certo tempo. Sob a perseguição de Maximino da Trácia, juntamente com o Papa Ponciano foi deportado para a Sardenha, onde morreu em 235.
Hoje as atribuições literárias de Hipólito foram questionadas, e está surgindo a opinião de que existem, dentro delas, dois personagens distintos : um certo bispo oriental Ippolito, autor de parte das obras; e um certo Iosipo, assim batizado por alguns críticos, autor de outra lista de obras. Estamos longe de um consenso.
Nós nos apegamos ao que foi mantido até agora; nos atermos à catalogação das obras entre elas, os muitos comentários sobre o Antigo Testamento merecem menção especial para nós, quase sempre em fragmentos (para lembrar: Sobre Cristo e o Anticristo, Comentário sobre Daniel, Bênçãos de Isaac e Jacó, Bênçãos de Moisés, Comentário ao Cântico dos Cânticos), a Philosophoumena ou Confutação de todas as heresias, das quais relatamos apenas um texto, a homilia ou o tratado Contra Noetus, e a famosa obra litúrgica Traditio apostolica.
No tema mariano, Hipólito tem sua própria originalidade ao expressar a Encarnação do Verbo de Maria para tomar sobre si o homem que caiu no mal (filhos de Adão) e reintegrá-los; igualmente sobre a concepção virginal e a maternidade divina, afirma-o claramente, não no título da Theotokos, mas no conteúdo doutrinário.

Sobre Cristo e o Anticristo


(De Christo et Antichristo, 4)

O tear da Encarnação
De fato, o Verbo de Deus que era sem carne e veste a santa carne da santa Virgem e – na forma de esposo – a tece como uma roupa no pedestal da cruz, para salvar o homem, que foi perdido punindo nosso corpo mortal em seu poder e associando o corruptível ao incorruptível, o fraco ao forte. A paixão da cruz foi, portanto, como o tear do Senhor; seu fio: a virtude do Espírito Santo; o tecido: a carne santa tecida pelo Espírito; tela: a graça na caridade de Cristo que une e une as duas coisas em uma; a lançadeira: a Palavra; os trabalhadores: os patriarcas e os profetas, que tecem a bela batina e a túnica perfeita de Cristo, através da qual, passando a Palavra como uma lançadeira, tece com eles todas as obras que o Pai quer.


(De Christo et Antichristo, 8)

Cristo o broto da Virgem Maria
O profeta Jacó dizendo: “jovem leão”, significava o Filho de Deus nascido segundo a carne de Judá e Davi; então dizendo: de um rebento, meu filho, você brotou, ele mostrou o fruto que brotou pela Virgem Santa, não gerado de semente, mas concebido pelo Espírito Santo: fruto que, como de um rebento santo, saiu da Terra. De fato, Isaías diz: Da raiz de Jessé sairá uma vara, e dela brotará uma flor. Então, o que Isaías chamou de flor, Jacó chamou de broto: de fato, a Palavra primeiro brotou no ventre (de Maria), depois floresceu no mundo.


(De Christo et Antichristo, 44-45)

A exultação do Precursor
Foram indicados precursores. O primeiro, João, filho de Zacarias, foi em todos os aspectos o precursor e arauto de nosso Salvador, anunciando a todos a luz celestial que apareceu no mundo. De fato, precedeu, já no ventre da mãe, recém-concebida por Isabel, mostrando também aos filhos que ainda estão no ventre de sua mãe seu futuro novo nascimento por meio do Espírito Santo e da Virgem. Ao ouvir a saudação de Maria, saltou de alegria para o ventre de sua mãe, enquanto contemplava o Verbo de Deus concebido no seio da Virgem. Então ele veio ao deserto para pregar o batismo de penitência ao povo, pre significando a salvação dos povos que viviam no deserto do mundo.

(Philosophoumena, X, 33)

Philosophoumena
Cristo encarnado recapitula cada idade do homem
Mas tudo administra a Palavra de Deus, o Filho primogênito do Pai, a Voz que ilumina diante da estrela da manhã (…). E esta é a Palavra que o Pai enviou nos últimos tempos (…). Sabemos que ele assumiu o corpo da Virgem, que veste o velho para uma nova criação, que passou por todas as idades da vida, para se tornar a norma em todas as idades (…). Sabemos que este homem nasceu de uma massa como a nossa: se de fato não fosse da mesma massa, em vão teria dado a lei para imitar o mestre. Pois se aquele homem fosse de outra substância, por que ele teria ordenado tais coisas para mim que sou fraco por natureza? Seria então bom e justo? Mas para que não pensássemos que ele era diferente de nós, ele suportou a fadiga, ele queria ter fome, ele não negou que estava com sede, ele descansou em seu sono, ele não recusou a paixão, ele sucumbiu à morte, ele mostrou a ressurreição.

Sobre as bênçãos dos patriarcas

(De benedictionibus patriarcharum, I)

José e Maria adoram Cristo no Monte das Oliveiras
Quando o que foi dito se cumpriu, a saber: “Então será necessário que eu, sua mãe e seus irmãos te adoraremos com cara no chão?” se não quando os bem-aventurados Apóstolos, juntamente com José e Maria, chegaram ao Monte das Oliveiras, adoraram a Cristo?
Judas não estava com eles…

(Benedictiones Isaac et Iacob, I)

O Primogênito da Virgem
Isaac disse-lhe então: «Aproxima-te de mim, filho, e beija-me. E se aproximou dele o beijou. E ao sentir o perfume de suas vestes, ele o abençoou e disse». Ao dizer isso, o profeta revela claramente de antemão que nenhum dos homens poderá apresentar uma boca santa ao Pai, exceto o filho primogênito nascido da Virgem. “Eu sou, de fato, ele diz, seu filho, o primogênito.” Quanto ao ditado: “Deus te dê, do orvalho do céu e do humus da terra, trigo e vinho em abundância”, com o termo usado, ele designou mais claramente o Verbo, que desceu do céu como orvalho; e com a “terra” a carne que ele tomou da Virgem. Então ele continua, dizendo: “Seja o Senhor de seu irmão; e deixe que os filhos de seu pai te adore”(…). Portanto, o que é dito aqui se cumpre no Salvador. Pois daqueles que se crê serem seus irmãos segundo a carne, ele se tornou Senhor e mestre para ser adorado por eles como rei.

(Benedictiones Isaac et Iacob, I)

Virgem Maria broto de Jessé
Ele disse: “De um rebento, meu filho, você saiu” para mostrar a geração de Cristo segundo a carne; que, encarnado, concebido pelo Espírito Santo no ventre da Virgem, brotou nela e, como flor e perfume de cheiro doce, uma vez que saiu (daquele ventre) ao mundo, apareceu visivelmente. Visto que, portanto, para ele, dizer “filhote de leão” era dizer sua geração segundo o Espírito, (pela qual) ele procede de Deus, ele mostrou por isso como um Rei nascido de um Rei. Mas, no entanto, ele não passou sobre sua geração em silêncio, de acordo com a carne, mas disse: “De um rebento, meu filho, você saiu.” De fato, Isaías diz: “Da raiz de Jessé sairá um rebento e nele brotará uma flor”. A raiz de Jessé era a linhagem dos patriarcas como uma raiz plantada na terra; o broto que saiu deles, visivelmente apareceu, foi Maria, porque ela é da casa e da família de Davi. A flor que então brotou nela foi o Cristo: o que Jacó disse justamente ao profetizar: “Você saiu de um rebento, meu filho”.

(Benedictiones Isaac et Iacob, II)

Maria “terra abençoada”
Quanto ao que ela disse precisamente: “Da bênção do Senhor (receba) a sua terra” (Dt 33,13) é possível aplicar isso a Maria, que foi a terra abençoada, pois a Palavra desceu nela como orvalho. É possível entender isso de si mesmo, do Salvador, porque foi dito: “Da benção do Senhor (receba) a sua terra”, porque nascido da Virgem e do Espírito Santo, herdou toda a bênção do Senhor, a terra santa (sua humanidade), que se tornou visível nos últimos tempos. Quanto ao que ele disse: “Na hora do céu e do orvalho” (Dt 33,13), é que sua concepção não será da semente, mas do Espírito.

Comentário sobre Cântico dos Cânticos

(In magnum Canticum I, 1, 83)

O acontecimento salvífico do Verbo Encarnado
Foi ele quem tirou das profundezas do Hades o primeiro homem formado da terra, caído e preso nas cadeias da morte; que desceu de cima e elevou às alturas o homem que estava embaixo; que se tornou o evangelizador dos mortos, o redentor das almas e a ressurreição dos sepultados: foi este que se tornou a ajuda do vencido, feito semelhante a ele, o Verbo primogênito, que na Virgem visitou o protoplasmado Adão: espiritual, ele foi em busca (de Maria) do carnal, o eterno, daquele que havia morrido de desobediência; celestial, ele chamou o terrestre para o céu; nobre, ele queria devolver a liberdade ao escravo, com sua própria obediência. Ele transformou o homem dissolvido na terra em diamante e se tornou o alimento da serpente; e o fez senhor de seu próprio senhorio, aquele que foi pendurado no madeiro: e assim, por meio do madeiro (da cruz) Ele se torna vencedor.

Related Articles

CREDO OU SÍMBOLO APOSTÓLICO FALA DE MARIA?

Tempo de leitura: 4 minutos O primeiro e mais importante testemunho de fé na literatura é simultaneamente o mais desconhecido, isto é o Símbolo Apostólico.
Símbolo que era proveniente dos Apóstolos e cada Igreja conservava um formulário que continha breves preposições ou artigos que colocavam junto, conservavam, colocavam próximos as verdades da fé: Sunbalein = unir com em grego.

Adamâncio

Tempo de leitura: 5 minutos No Diálogo, Adamâncio, os ortodoxos e alguns discípulos de seitas gnósticas, incluindo Marino, são confrontados diante do moderador pagão Eutrópio. A composição está dividida em 5 livros, todos interessados pelo que afirmam sobre a real Encarnação do Verbo; sob o perfil mariano, os livros IV e V são os mais importantes, que ao insistir precisamente na realidade da encarnação de Cristo, revelam e sublinham a maternidade real e virginal de Maria. O Diálogo apresenta argumentos que se tornarão comuns contra os maniqueus na segunda metade do século IV, sobre a não indignidade da Encarnação e do ventre de uma mulher.

CLEMENTE DE ALEXANDRIA

Tempo de leitura: 2 minutos Clemente nasceu por volta do ano 150, provavelmente em Atenas. Tornando-se cristão, vagou na Itália, na Síria e na Palestina. Em Alexandria ele se tornou, primeiro discípulo, depois um continuador de Pantheno no ensino catequético e morreu antes de 215.

Inácio de Antioquia

Tempo de leitura: 5 minutos Santo Inácio, segundo sucessor de Pedro na Cátedra de Antioquia é uma figura de grande importância na antiguidade cristã. Entre o ano 107-11 foi preso e conduzido acorrentado da Síria a Roma onde foi martirizado pelo Imperador Trajano.Nas duas paradas da viagem de barco, em Esmirna e Trôade, teve ocasião de escrever sete cartas que chegaram até nós. De Esmirna escreveu à Igreja de Éfeso, Magnésia e Trália, que o tinham visitado através dos bispos e seus enviados e também à Igreja de Roma para não interceder pela sua libertação. Em Trôade escreveu às Igrejas de Esmirna e de Filadélfia, e uma carta pessoal ao Bispo de Esmirna, São Policarpo. 

Responses

Open chat
Necessita de ajuda?
Ave Maria,
como a poderei ajudar?