Adventus – “Vem, Senhor”

Tempo de leitura: 3 minutos

Na igreja dos primeiros séculos, a celebração da Páscoa era dominada pela espera da manifestação definitiva do Senhor. A vigília pascal prolongava-se até alta noite; somente nesse momento é que se podia dar início a liturgia eucarística. Assim, o Ressuscitado aparece entre os seus de modo sacramental, como o sol da manhã que anuncia simbolicamente um dia sem fim. Essa espera da segunda vinda de Cristo era uma das características da antiga religiosidade cristã- daí a invocação “Maranatha! Vem, Senhor” (Ap. 22,17.20).

Na antiga concepção pagã, a divindade era revelada em um dia específico do ano, em que essa habitava o templo. Desse modo, a presença ou vinda que em latim pronuncia-se adventus, tornou-se a visita do imperador, o seu aniversário ou festa, que era celebrada como se fosse o seu retorno. 

O advento cristão remete ao Natal e à Epifania, que devem ser vistos juntos, como festas que se complementam. Palavra grega, epifania representa o aspecto de manifestação dessa vinda. Essas festas não têm a antiguidade nem a importância da Páscoa. Mas quando aparecem, no século IV, depois da liberdade constantiniana, difundiram-se rapidamente no Ocidente e Oriente, embora com características e sensibilidades diferentes. Na luta contra o arianismo que negava a filiação divina de Jesus, o Natal tornava-se a festa do dogma da divindade de Cristo, como foi definido no Concílio de Niceia (325) e sua celebração equivalia ao triunfo da ortodoxia. 

Compreender o Advento - Ponto SJ

O advento sendo uma palavra cristã, mas com origem pagã, designou inicialmente o aniversário do nascimento do Senhor e a sua manifestação, o seu retorno ou a sua visita. No início, de acordo com o significado da palavra, o advento não representava a preparação, mas a festa em si. Com essa palavra, (adventus Domini) é o que o Natal é designado nas homilias dos Padres, nas orações dos antigos sacramentários e nos primeiros calendários cristãos. 

É de suma importância, lembrar um dado de que na celebração litúrgica existem três dimensões da história: a memória do passado, o mistério celebrado no presente, e a antecipação do futuro. Nesse caso, se sobrepõem a espera do nascimento do Senhor, vivida durante muitos anos pelo povo de Deus. O seu nascimento humano, ou encarnação e a sua manifestação gloriosa no cumprimento final da história (parusia). É necessário destacar essa tríplice dimensão do advento, para não corrermos o risco de empobrecer o seu sentido para um sentimentalismo em relação ao nascimento do Menino Jesus. 

Historicamente, o nascimento de Jesus teria sido preparado desde o Antigo testamento. Tal celebração alcançou um efeito psicológico que suplantou a festa da Páscoa. O mistério do Natal, requeria uma preparação , mas que nunca conseguiu fazer desse tempo, um paralelo à preparação da Páscoa, em que temos a quaresma. Embora sejam duas celebrações muito importantes para o cristianimo, possuem significados diferentes, tendo em vista, o júbilo da Ressurreição que perpassam o advento. 

A história do advento é complexa e até obscura, pois ele não tem lugar único de nascimento, surgindo quase ao mesmo tempo e com características diversas em cada espaço. É impossível acompanhar a sua história na igreja ocidental. Entretanto, deve-se reconhecer o seu caráter escatológico, tendo em vista, a espera da manifestação final de Cristo. Significado esse, que foi se dissipando, devido ao crescimento da visão do Natal como a festa do nascimento de Jesus. Para que fosse recuperada a dimensão escatológica, foi instituída na reforma litúrgica, nas duas primeiras semanas, o seu aspecto escatológico. E nas semanas seguintes, a dimensão natalina da festa, do nascimento e encarnação de Jesus e por seguinte a sua manifestação, com a Epifania. 

Pode-se assim, afirmar que o estado e a situação do advento são permanentes: a igreja vive um perpétuo advento até que venha o Senhor. O mistério do advento coincide com o mistério da história, que se revela como manifestação do juízo de Deus sobre o mundo. Com efeito, a espera e a esperança constituem o traço distintivo da fé cristã. Para Adrienne von Speyr, “conforme o tempo passa, a vinda iminente se torna cada vez mais perceptível para a Mãe. Ao mesmo tempo, ela vê os homens cada vez mais claramente à luz da redenção que está por vir. Para ela, tudo o que o Filho um dia realizará agora está contido nela e, portanto, ela participa de forma muito íntima de tudo o que vem. Mas Maria não pondera esse fato, mas apenas o que o Filho fará. Ela é apenas um ponto de partida que se acumula em vista da doação, que ela espera na realização de Deus. E justamente essa espera é sua forma de participar da realização.”

Por conseguinte, a espera pela vinda do Senhor é solidificada, à medida que a vivemos com a fé expectante de Maria, confiando na plena realização e manifestação de Deus nos tempos. 

Artigos relacionados

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Do Final dos Tempos a Encarnação, mais um Ano Litúrgico para contemplarmos ao longo do percurso, Maria, nos direcionando a Jesus. Eis o Tempo da Salvação…

      1. Obrigado! Lembro um comentário seu em um dos cursos. Vou procurar conhecer o Calendário Bizantino. Obrigado!

  2. Jesus! Como nos reforça a cada leitura internalizada, a Palavra de Deus pelo Sim de Maria! Há durante toda a História da Salvação o próprio Advento, na obediência e na Paz da espera pela Luz do Espírito Santo de Deus! Amém! Vem, Senhor Jesus!

×

Powered by WhatsApp Chat

×