Seis razões para não esquecer Maria segundo J. Ratzinger

https://youtu.be/ydyBs4s4Hg4

Maria e o Cristianismo 

Por ocasião do Congresso Mariológico Internacional realizado em Loreto (22-25 de março de 1995) o então Cardeal Ratzinger concordou em realizar o prolusão sobre o artigo do Credo: “Et incarnatus est de Spiritu sancto ex Maria Virgine“. Nesta conferência magistral afirma que:

«sem Maria a entrada de Deus na história não chegaria ao seu fim; o que importa na confissão de fé não seria alcançado: que Deus é um Deus conosco e não apenas um Deus em si mesmo e para si mesmo. Assim a mulher, que se qualificou como humilde, isto é, como mulher anônima (Lc 1,48), é colocada no centro da confissão no Deus vivo, que não pode ser pensado sem ela».

Em termos inequívocos, Maria é colocada no núcleo essencial da fé e da história, como mulher que introduz Deus na situação inédita da encarnação. Por meio dela, Deus se revela não como um Deus encerrado no claustro do céu, mas verdadeiramente como Emanuel, Deus conosco. Iniludível consequência teológica: Maria entra no conceito de Deus vivo e atuante na história, a tal ponto que não se pode pensar em Maria sem referir-se à sua ativa colaboração materna.

Depois de ter interpretado a frase do Símbolo Apostólico «como síntese dos três grandes testemunhos bíblicos da encarnação do Filho: Mt 1,18-25; Lucas 1,26-38; Jo 1,13ss., o cardeal se deteve na morada de Deus como consequência e finalidade da encarnação e afirma que Jesus é a verdadeira shekinah, por meio da qual Deus está entre nós, se estivermos reunidos em seu primeiro nome. Embora os lugares santos sejam a garantia permanente da entrada de Deus no mundo, a realidade mais importante é o sim de Maria, que abre à Palavra o espaço onde pode armar a sua tenda, porque Deus é e não está preso a pedras, mas está ligado a pessoas vivas.

Ícone revelador do Deus envolvido na dinâmica da encarnação, Maria permanece ancorada na história do seu povo. E o que o cardeal voltou a destacar em Loreto em 7 de março de 1988 na conferência «Tu és cheia de graça. Elementos para uma devoção bíblica mariana», realizada durante o congresso regional de atualização pastoral. Apresenta a figura de Maria como paradigmática para o cristão e para o homem, segundo a verdadeira antropologia, na medida em que não está isolada do seu povo e ao mesmo tempo aberta à salvação de toda a humanidade:

«Maria é Sião em pessoa, e isso significa: ela vive tudo o que se entende por “Sião”. Ela não constitui uma individualidade fechada que depende da originalidade do ego. Não quer ser apenas este ser humano que defende e protege o seu ego […] Vive de forma a ser “habitável” para Deus, a viver de forma a ser um lugar para Deus».

Para Ratzinger, Maria é uma pessoa “em relação vital com Deus“, e é precisamente deste

 sentido de graça que a preenche: “Tu és cheia de graça” – isto significa também que Maria é um ser humano, totalmente aberta, que se revelou plenamente, entregou-se corajosamente e sem limites, sem medo de seu destino, nas mãos de Deus.

Visto que esta abertura é designada pela Escritura com a palavra ““, segue-se que, como na Antiga Aliança encontramos Abraão pai dos que acreditam, assim “no início do novo povo” encontramos Maria “mãe daqueles que acreditam“.

A “figura pura e sublime” de Maria é específica para Ratzinger em um trabalho interior do qual Lucas testemunha quando afirma que Maria “guardava todas estas coisas e as meditava em seu coração” (Lc 2,19). Apesar da transcendência do mistério, trata-se de “juntar” com um olhar unificador o particular no todo, e ao mesmo tempo guardá-lo e mantê-lo fielmente “ao longo” das fases da vida, mesmo quando a espada a golpeia no momento da paixão.

Portanto, depois de ter interiorizado a palavra, «pode de novo dá-la ao mundo: Maria é uma profetisa». O Magnificat é uma “oração profética tecida com fios do Antigo Testamento” que nos convida a engrandecer o Senhor, isto é, a “dar-lhe espaço, para que esteja mais presente no mundo“.

Seis razões para não esquecer Maria

Com uma visão sintética, o então cardeal Joseph Ratzinger, entrevistado pelo jornalista Vittorio Messori em 1985, enumera seis razões para não esquecer Maria, que por sua vez pressupõem uma função essencialmente unitiva e comunitária da Virgem em relação aos mistérios da fé, da Bíblia e da Tradição, do Antigo e do Novo Testamento, da razão e do coração, do homem e da mulher. 

Primeiro ponto Reconhecer o lugar que o dogma e a Tradição atribuem a Maria significa estar firmemente enraizado na autêntica cristologia

Concílio Vaticano II afirma: «A Igreja, meditando piedosamente na Virgem, e contemplando-a à luz do Verbo feito homem, penetra mais profundamente, cheia de respeito, no insondável mistério da Encarnação, e mais e mais se conforma com o seu Esposo», Lumen Gentium n. 65.

Além disso, é ao serviço direto da fé em Cristo – portanto não principalmente por devoção à Mãe – que a Igreja proclamou os seus dogmas marianos: primeiro a virgindade perpétua e a maternidade divina e depois, após um longo amadurecimento e reflexão, a concepção sem a mancha do pecado original e a assunção ao céu.

Esses dogmas protegem a fé autêntica em Cristo como verdadeiro Deus e verdadeiro homem: duas naturezas em uma só Pessoa. Abrigam também a indispensável tensão escatológica, indicando em Maria Assunta o destino imortal que nos espera a todos. E protegem também a fé, hoje ameaçada, em Deus criador que (entre outras coisas é um dos significados da verdade mais do que nunca incompreendida sobre a virgindade perpétua de Maria) também pode intervir livremente na matéria. Em suma, como recorda também o Concílio: «Maria, pela sua participação íntima na história da salvação, reúne e faz ressoar, por assim dizer, os maiores dados da fé» (Lumen Gentium n. 65).

Ratzinger segue este primeiro ponto de ordem essencialmente cristológica, que coloca Maria em relação com a fé autêntica em Cristo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, de modo que ela se torna a pedra de toque da ortodoxia, com um segundo ponto. Isso consiste em fundir a Palavra de Deus e a Tradição eclesial, pois a figura da Virgem Mãe em seu aprofundamento ao longo dos séculos concentra os dados bíblicos e o progresso no conhecimento do mistério operado na Igreja. 

Segundo ponto. A Mariologia da Igreja pressupõe a justa relação, a necessária integração, entre a Bíblia e a Tradição

Os quatro dogmas marianos têm sua base indispensável nas Escrituras. Mas aqui existe como que uma semente que cresce e frutifica na vida cálida da Tradição tal como se expressa na liturgia, na intuição do povo fiel e na reflexão da teologia guiada pelo Magistério.

O terceiro ponto que diz respeito a posição mediana e unificadora da Virgem de Nazaré, que historicamente se encontra no cume onde converge o movimento ascendente do povo de Israel e de onde parte o movimento cristão que se espalha pelo mundo através da obra evangelizadora da Igreja.

Terceiro ponto. Na sua pessoa de jovem judia que se tornou mãe do Messias, Maria une de modo vital e inextricável o Antigo e o Novo povo de Deus, Israel e o cristianismo, a sinagoga e a Igreja.

Maria é o ponto de junção sem o qual a fé (como acontece hoje) corre o risco de perder o equilíbrio seja no Antigo Testamento ou apenas no Novo. Na Virgem podemos experimentar a síntese de toda a Escritura. A função unitiva da Virgem manifesta-se na devoção do povo de Deus para com ela: ela une razão e sentimento, racionalidade e afeto, preservando ou libertando o cristianismo das rochas do intelectualismo e do sentimentalismo, ambos estéreis.

Quarto ponto. A devida devoção mariana garante à fé a coexistência da indispensável “razão” com as igualmente indispensáveis ​​”razões do coração”, como diria Blaise Pascal.

Para a Igreja, o homem não é só razão nem só sentimento, é a união destas duas dimensões. A cabeça deve refletir com lucidez, mas o coração deve ser aquecido: a devoção a Maria («livre de qualquer falso exagero, mas também de uma mesquinhez que não considera a singular dignidade da Mãe de Deus», como recomenda o Concílio) assegura à fé toda a sua dimensão humana.

Ratzinger acrescenta também uma quinta razão particularmente oportuna às razões dadas até agora, quase um eco de um pensamento semelhante de seu colega Hans Urs von Balthasar. Maria contribui efetivamente com sua feminilidade e maternidade para humanizar o rosto da Igreja, evitando que ela caia na burocracia, no formalismo abstrato e no legalismo da letra que mata o Espírito.

Quinto ponto. Para usar as próprias expressões do Vaticano II, Maria é a “figura”, a “imagem” e o “modelo” da Igreja

Assim, olhando para ela, a Igreja está blindada daquele modelo machista que olha para Igreja como instrumento de um programa de ação sócio-político. Em Maria, sua figura e modelo, a Igreja reencontra o seu rosto de Mãe, não pode degenerar numa involução que a transforme num partido, numa organização, num grupo de pressão ao serviço dos interesses humanos, mesmo que sejam nobres. Se Maria já não encontra lugar em certas teologias e eclesiologias, a razão é simples: reduziram a fé a uma abstração. E uma abstração não precisa de uma Mãe.

O sexto e último motivo para não esquecer Maria no nosso tempo é o seu exemplo para com todos e especialmente para as mulheres. Ilumina o seu caminho referindo-se à vocação e ao mistério provenientes de Deus, ao mesmo tempo que oferece o exemplo de síntese entre interioridade e anúncio evangélico, consagração e missão, coragem e disponibilidade.

Sexto ponto. Maria com a sua vocação de Virgem e Mãe continua a iluminar o que o Criador quis para a mulher de todos os tempos, incluindo o nosso tempo.

Na verdade, talvez especialmente o nosso tempo onde – como sabemos – a essência da feminilidade está ameaçada. A virgindade e maternidade de Maria enraízam o mistério da mulher num altíssimo destino do qual ela não pode ser desvencilhada. Maria é o intrépido arauto do Magnificat; mas é Ela também que torna frutífero o silêncio e o esconderijo. E Aquela que não tem medo de estar sob a cruz, que está presente no nascimento da Igreja. Mas é também aquela que, como sublinha várias vezes o evangelista, «conserva e medita no seu coração» o que se passa à sua volta. Criatura de coragem e obediência é (novamente e sempre) um exemplo para o qual todo cristão – homem e mulher – pode, deve olhar.

A conclusão é óbvia: condenar ao esquecimento uma pessoa tão significativa na história da humanidade como Maria não é enriquecer-se, mas empobrecer-se espiritualmente, privar-se de uma mulher que deu um rumo positivo e uma direção certa ao caminho humano, e tornou-se, portanto, um paradigma insubstituível para a revelação de Deus e para a maturidade dos discípulos de Cristo.

Related Articles

Mãe de Deus, morada do Verbo

Este artigo explora a profunda conexão entre a encarnação de Cristo e o papel de Maria na revelação de Deus. Descubra como Maria, ao aceitar prontamente o chamado divino, tornou-se fundamental na manifestação e glorificação de Deus na história, revelando o significado da carne humana como a “energia” e a “justiça” de Deus em ação. Uma exploração teológica que destaca a importância da Virgem Maria na compreensão cristã da encarnação e da salvação.

Responses

Open chat
Necessita de ajuda?
Ave Maria,
como a poderei ajudar?