Os Anjos na Bíblia do simbolismo ao realismo

Tempo de leitura: 9 minutosTempo de leitura: 9 minutos

Do simbolismo ao realismo

Se olharmos para a Sagrada Escritura vemos a pluralidade de elementos sobre os anjos. Neste momento sintético não pretendemos repetir afirmações particulares, mas captar dos textos suas verdades que são constantes e fundamentais para a Bíblia e responder à questão colocada no início sobre o valor simbólico ou real dos anjos. 

Estas conclusões são resultado da consciência de que o problema dos anjos ainda permanece aberto entre dois extremos inaceitáveis, o erro do passado que consistia em tomar toda afirmação bíblica como doutrinária e o de hoje que reconhece todas as passagens como tendo apenas um valor simbólico, como importações de dados culturais. 

Qual é o aspecto funcional dos anjos?

Servos do desígnio de salvação de Deus

O discurso sobre os anjos enquadra-se na perspectiva antropológica segundo a qual a Bíblia fala de Deus não diretamente para revelar quem são, mas para mostrar o que eles fazem pelos homens. Não quem é Deus em si, mas quem ele é Ele para nós. Assim sendo, o envio dos anjos constitui um momento de vivo interesse, do pathos que Deus tem para o mundo.

Por isso lemos em Heb 1,14 «Os anjos não são, todos eles, espíritos ministradores enviados para servir aqueles que hão de herdar a salvação?», ou seja, falamos expressamente do «serviço para a salvação».

A perspectiva teológica

Este serviço da figura angélica ao plano de Deus já está presente na concepção primitiva do anjo de YHWH. A impossibilidade em certos textos de distinguir entre uma figura angélica e a realidade divina, ou seja, a indefinibilidade do anjo, atesta, por um lado, a presença divina e testemunha a sua transcendência e, por outro, a sua presença amorosa. 

Desde o início até todo o desenvolvimento da história salvífica, o anjo mantém desperta a presença divina, suscita atitudes de adoração, louvor e ação de graças com intervenções de ajuda aos indivíduos, a instituições como a promulgação da lei, e transmite a grandeza e onipresença de YHWH que está sentado nos querubins. 

Em seguida, os anjos são qualificados como envolvidos na liturgia celeste, convidam os homens a orientarem as suas vidas para o Eterno, com quem põem em contato os dons e os segredos divinos por meio da mediação: transmitem a vontade divina aos homens, apresentam orações e adoram a Deus.

Os nomes dos anjos, mais do que expressar sua individualidade, comunicam uma qualidade de Deus, como sua força (Gabriel: Lc 1,19.26) ou singularidade (Miguel: Ap 12,7; Jd 9). Eles revelam e traduzem, particularmente no Novo Testamento, a realidade de Deus como espírito, poder, glória, luz, da qual participam sem esgotá-la. 

Olhar é ser preenchido pelo que se olha. 

O rosto do mártir e o rosto do anjo brilham com a glória do que vêem.

A perspectiva cristológica

Qualquer discurso do Novo Testamento sobre os anjos deve ser visto nesta estreita ligação com o evento de Cristo, em relação à vinda e partida de Cristo para a sua obra posterior na igreja, para o seu retorno na glória. O plano de salvação de Deus encontra sua plenitude em Cristo. Isso é prefigurado na retomada do papel de Moisés constituído pelo anjo principal e libertador do povo (At 7,30-38) e pela função da lei, ora julgada positivamente (At 7,38), ora em seu caráter limitado (Gal 3,19; Heb 2,2). 

No mistério de Cristo, os anjos desempenham uma função esclarecedora para Maria (Lc 1,30ss) e para José (Mt 1,20), para os pastores (Lc 2,13), para Zacarias (Lc 1,11.19), tornando-os capazes de resposta consciente e ação imediata. 

Os anjos estão presentes quando se estabelece o contato entre Deus e os homens, os anjos aparecem em momentos menos claros de Revelação como o mistério da encarnação, ressurreição e retorno de Cristo.

Eles continuam aquela função explicativa dos antigos mediadores humanos, já que «não existe mais profetas e entre nós ninguém sabe até quando» (Sal 74,9). Nesta perspectiva, é compreensível a ausência quase total dos anjos durante a vida pública de Jesus, «o único mediador entre Deus e os homens» (1 Tm 2,4). Servem-no no início da sua vida (Mt 4,11), consolam-no no fim (Lc 22,43; cf. Jn 1,51) assinalando a assistência contínua e misteriosa do Pai que, se invocado, não demoraria a enviar-lhe mais de doze legiões de anjos em tempos de necessidade (Mt 26,53).

Quando o tempo muda qualitativamente pela ressurreição de Cristo que antecipa o eschaton, os anjos reaparecem para revelar a nova situação «ele não está aqui, ressuscitou!», a nova vida a todos os homens.

A perspectiva eclesiológica

O serviço dos anjos a Cristo continua a serviço da Igreja e dentro da igreja. Um anjo liberta os apóstolos da prisão, convidando-os a pregar ao Povo (At 5,20), não decepciona a confiança de Pedro ao ser arrebatado da mão de Herodes (12,11), colabora na evangelização dos excluídos (8,26-29) e dos pagãos (10,3), assegura que haverá um amanhã (27,23) para o qual Paulo chamou a testemunhar com a sua vida também perante os anjos (cf. 1 Cor 4,9). O que se diz sobre cada um dos homens é prova do que acontece com os “pequeninos“, que sempre têm intercessores junto ao Pai (Mt 18,10). A colaboração no caminho histórico dos homens continuará até que chegue o julgamento do mundo realizado por Cristo. 

A pergunta que foi feita muitas vezes retorna neste momento: esse aspecto do serviço esgota a natureza dos anjos ou vem de seres reais

As palavras sobre os anjos são expressão de uma verdade sobre Deus como uma pessoa supremamente amorosa para com os homens e digna de receber sua adoração e orações, ou elas também se elevam à dignidade de uma pessoa? 

São puro símbolo ou realidade? 

Identificam-se com a sua mensagem, esgotando-se nela, ou são portadores capazes de anunciar novas mensagens? 

O conjunto de textos bíblicos torna certa a segunda parte da questão.

Os anjos são seres reais, pessoais.

A pessoa é compreendida em sentido geral como um ser livre, capaz de dialogar com Deus e com os homens. Admitindo a existência dos anjos como seres reais, torna-se quase um postulado para a compreensão da fé dos bons seres espirituais, em plena amizade com Deus e solícitos pelo bem dos homens. Falamos do testemunho que a Bíblia dá sobre a existência dos anjos e não de descrições de experiências angélicas dos homens, ainda que os dois aspectos estejam ligados.

Continuidade no desenvolvimento de afirmações sobre os anjos

A aceitação ininterrupta e pacífica por séculos de uma fé em anjos é de grande valor em si mesma. Tanta segurança constitui um fato que é tudo menos desprezível. Com isto não tomamos em consideração um dado puramente quantitativo, como a multiplicação de textos bíblicos que falam de anjos. Avaliamos um fato, a continuidade no desenvolvimento de uma mentalidade no crescimento da revelação e no contato com outros povos, diferentes em religião e cultura. 

Uma comparação revela-se significativa: o conteúdo da personalidade do «anjo» é diferente de categorias teológicas puramente simbólicas como glória, nuvem, rosto. Em contextos escatológicos, a menção de anjos tem um valor diferente com respeito a elementos certamente simbólicos como a trombeta, o fogo, o sinal do Filho do homem e a nuvem.

É errado esperar do Antigo Testamento informações diretas sobre conceitos estranhos como “natureza” e “espírito puro“. O «espiritual» é, pelo contrário, fundamental para a religião e a teologia desenvolvidas fora do Antigo Testamento.

Aparecer e desaparecer repentinamente, por exemplo, vir do céu, recusar comida (Jz 13,16; Tob 12,19), fazer parte da corte celeste são elementos reveladores de uma concepção que os considera em particular relação com a esfera celeste e diferentes mensageiros por homens comuns, sem no entanto conotar a sua espiritualidade.

A clara inferioridade dos anjos para com Cristo confirma a sua natureza de mediadores, disponíveis para a execução da vontade de Deus, cuja glória, luz, espírito eles refletem e para quem se distinguem pelo louvor e adoração de modo a envolver o universo (cf. Ap 5,11-13) e torna-se assim uma chamada e um convite a todos os homens. 

Um equilíbrio entre o valor simbólico e real dos anjos pode ser expresso por estes termos:  os anjos são fundamentais no trabalho de ajuda, salvação, custódia, proteção e a proximidade de Deus que dirige, conduz e provê em situações muitas vezes sem ajuda e esperança com coisas que se tornam perceptíveis e vivenciáveis ​​através deste mensageiro. O anjo é antes de tudo, um mensageiro que cumpre uma missão de seu Senhor como seu servo. Ele é uma expressão do fato sempre novo experimentado por Israel e por seus devotos de que a ajuda de Deus aqui neste mundo encontra em todos os lugares o homem confiante e fiel.

A originalidade do pensamento bíblico

Os aspectos originais da doutrina sobre os anjos são maiores em comparação com o outro assunto, o diabo e os demônios. De fato, a figura do anjo de YHWH que preexiste ao exílio e se prolonga nos textos do Novo Testamento é típica da Bíblia. Nos textos apocalípticos é sóbria a descrição das figuras angelicais em comparação com as fantasias dos apócrifos. Acima de tudo, a Bíblia discerne o que vem de outras literaturas e reconcilia a doutrina angélica com a evolução da verdade revelada sobre Deus e o homem.

O testemunho de Jesus e dos Apóstolos

Quando uma crença é pacificamente aceita, é difícil encontrar argumentos em escritos contemporâneos que provem o óbvio. Por isso, simples indícios de uma aceitação reflexa assumem grande valor.

Em sua resposta aos saduceus que negam a ressurreição e os anjos (Mt 22,30), Jesus conecta os dados tradicionais sobre eles com a sua doutrina sobre a ressurreição. Na hipótese de que os anjos não vivem realmente uma vida com Deus diferente da dos homens, falha a força do argumento de Jesus, que teria enganado seus adversários e as multidões: argumentos análogos podem ser feitos para o anúncio de sua volta (Mt 16,27) e por recorrer aos anjos como motivo para respeitar os “pequeninos” (cf. Mt 18,10: Vede, não desprezeis a nenhum destes pequeninos; pois eu vos digo que os seus anjos nos céus sempre vêm a face de meu Pai, que está nos céus.). 

Argumentar que Jesus não quis tirar a crença geral, mas deixar que os homens descobrissem por si mesmos, ao longo do tempo, que os anjos fazem parte de um elemento cosmológico, não respeita o valor e não esgota a intencionalidade dos textos. O autor de Hebreus encontra-se então diante de um culto exasperado de anjos que ofusca o primado de Cristo. Ele teria facilitado a tarefa negando sua existência, em vez de limitar seu valor e seguir o difícil caminho de distinguir entre reivindicações incorretas e válidas. Esses sinais de uma aceitação um tanto reflexiva dos anjos estão conectados com as verdades de fé, como a ressurreição, o primado e o retorno de Cristo.

A menção dos anjos entre as verdades da fé

O hino pré-paulino relatado na primeira carta a (1 Timóteo 3,16: E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Deus se manifestou em carne, foi justificado no Espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo, recebido acima na glória.), o «mistério da piedade», ou seja, Cristo inclui entre os momentos fundamentais ou pontos salientes «a aparição aos anjos». Um belo paralelismo antitético contrasta dois a dois os seis momentos da vida de Jesus, propostos como objetos de fé: carne/espírito, anjos/povos, mundo/glória. O realismo dos restantes elementos e particularmente do anúncio leva-nos a ultrapassar uma exegese puramente simbólica, seja qual for o contexto da manifestação aos anjos (aparições pascais ou momentos indeterminados).

Neste contexto, tanto a descrição da natureza angélica de Heb 1,14 quanto a análoga de Ap 19,10; 22,9 adquirem valor ao usar o verbo idêntico que conotava as aparições de Cristo e dos anjos: «ele foi visto» (òphthè) (Lc 1,11; 22,43; At 7,35 e Lc 24,34; At 13,31; 1 Cor 15,5-7), e consequentemente também “entrou” (Lc 1,28), “apareceu” (Lc 2,9; At 27,33), causando no homem uma “visão” (Lc 1,22; 24,23). A realidade das aparições de Cristo imprime um certo caráter de acontecimento também nas aparições dos anjos, inseridas na categoria geral das epifanias.

Anjos como modelos de união com Deus

A apresentação dos anjos em atitude de louvor e adoração a Deus é constante, presente em diferentes contextos e estilos:

– o histórico-Midráshico (Lc 1,13-14 «Mas o anjo lhe disse: Zacarias, não temas, porque a tua oração foi ouvida, e Isabel, tua mulher, dará à luz um filho, e lhe porás o nome de João. E terás prazer e alegria, e muitos se alegrarão no seu nascimento»);

– o homilético (Heb 12,22-23 «pelo contrário, vocês chegaram ao monte Sião e à cidade do Deus vivo, a Jerusalém celestial com os seus milhares de anjos. Vocês chegaram à reunião alegre dos filhos mais velhos de Deus, isto é, daqueles que têm o nome deles escrito no céu»)

– o exortativo (Mt 18,10 «Cuidado para não desprezarem um só destes pequeninos! Pois eu digo que os anjos deles nos céus estão sempre vendo a face de meu Pai celeste»);

– o doutrinário (Ap 5,11-14 «E olhei, e ouvi a voz de muitos anjos ao redor do trono, e dos animais, e dos anciãos; e era o número deles milhões de milhões, e milhares de milhares, que com grande voz diziam: Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças. E ouvi a toda a criatura que está no céu, e na terra, e debaixo da terra, e que estão no mar, e a todas as coisas que neles há, dizer: ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações de graças, e honra, e glória, e poder para todo o sempre. E os quatro animais diziam: Amém. E os vinte e quatro anciãos prostraram-se, e adoraram ao que vive para todo o sempre»). 

A inexistência destes seres aclamados anularia a tensão do homem para com o mundo divino e desapareceria o motivo da glória de ter-se aproximado da multidão de anjos, distinta da “igreja dos primogénitos” (cf. Hb 12,23). Os textos perderiam a força de seu valor exortativo.

Questões em aberto

Pode-se dizer que o problema dos anjos permanece em aberto em muitos aspectos:

– a necessidade de aprofundar a existência dos anjos como seres pessoais em um estudo aprofundado dos textos bíblicos;

confrontar a doutrina bíblica com as literaturas extrabíblicas, destacando o espaço de sua originalidade;

– refletir sobre a natureza da “pura” espiritualidade e imortalidade;

Para a pesquisa do teólogo as questões angélicas devem determinar a participação na vida divina dos servidores da salvação. Para além do mais deve-se submeter a exame crítico as questões tratadas nos manuais pré-conciliares hoje à luz da psicologia e do conhecimentos angélicos, da vida afetiva, dos métodos de comunicação. 

Para o biblista, o fato do problema permanecer em aberto significa sobretudo a referência à tradição católica, dentro da qual a Bíblia deve ser lida.

Related Articles

Imaculada Conceição: celebração da digna morada de Deus

Tempo de leitura: 3 minutos Tempo de leitura: 3 minutos A Imaculada Conceição só tem sentido em relação ao nascimento de Cristo. A celebração do advento, além de obedecer a razões de tempo, calculadas em relação à Natividade de Maria, insere-se neste período de preparação imediata, porque a Imaculada Conceição foi a última e imediata preparação para o evento da Encarnação do Filho de Deus.

Responses

Open chat
Necessita de ajuda?
Ave Maria,
como a poderei ajudar?