O Ano Litúrgico

Tempo de leitura: 3 minutos

Ao longo dessa semana, iremos decorrer sobre o ano litúrgico, de modo que possamos compreender a divisão que temos ao longo de 12 meses para celebrarmos os mistérios da vida de Cristo. Por conseguinte, o ano litúrgico celebra e anuncia a ação amorosa de Deus pela humanidade, realizando um caminho na história que nos leva a contemplar o ápice do amor que se dá na encarnação do Verbo e na revelação da vida íntima de Deus, em Jesus Cristo.

O Ano Litúrgico A

Um importante princípio é reconhecermos que Deus se revela a humanidade ao longo da história, e com ela estabelece uma comunicação, criando um relacionamento com a pessoa humana, manifestando o seu projeto divino de salvação. Projeto esse, que foi desenvolvido através dos acontecimentos que culminaram na cruz e ressurreição de Jesus, cuja manifestação da sua glória nós esperamos.

A aliança que foi estabelecida ao longo dos tempos, é atualizada para os fiéis através da liturgia da Igreja Católica, de modo que a salvação pode ser comunicada a todos os homens. O conjunto das festas em que a Igreja celebra anualmente os mistérios da vida de Jesus ou a celebração do mistério de Cristo no ritmo do tempo e da história é visto como a tradução ritual, e entendida como sacramento global, de acordo com os tempos atuais e a situação da própria Igreja.

Inseridos no tempo, medidos em anos e dias, os sacramentos e as festas estruturam um tempo de salvação. Ou seja, a comunicação de Deus com o seu povo, não só é atualizada, mas vivenciada de forma real e concreta pelo povo de toda a Igreja. Aquele mesmo evento anunciado há séculos, e que revelou o projeto de salvação de Deus para a humanidade, se estende até os dias atuais e transmite a mesma graça. Diferenciando apenas o modo e a intensidade. E é dessa realidade que nasce o ano litúrgico.

São Marsili nos escreve: “o ano litúrgico outra coisa não é do que o momento no qual ‘o todo’ da história da salvação, isto é, Cristo em suas diversas projeções temporais de passado-presente-futuro, é levado a determinado grupo humano no tempo determinado (kairós) no espaço de um ano. Nesse sentido, o tempo litúrgico nada mais faz do que enfatizar o valor de síntese que é próprio da linha temporal do espaço da salvação.”

O entendimento da reforma litúrgica passa pelo princípio de que ela não se limita a uma simples atualização, pois foi realizada através da teologia, que requer a exposição dos princípios que regem o ano litúrgico seja precedida pela colocação dos seus fundamentos bíblicos ou da própria história (desde o seu nascimento e o seu desenvolvimento através das épocas culturais).  Se esses dados não são estabelecidos desde o início, tendem a gerar uma perda de significado quanto ao valor que a liturgia possui enquanto síntese temporal da história da salvação, gerando também a perda de sentido em relação aos ciclos dos tempos litúrgicos.

Reforma da reforma litúrgica

Somente com uma visão autêntica da doutrina da história é que se pode dar a razão das festas cristãs. Bem como a dimensão e fisionomia das festas marianas, que estão harmonizadas com todo o sistema, e dependem desse fato central, que é a compreensão de toda a história da salvação, pois apreendendo esse grande evento, nos será possível descobrir o sentido da liturgia e do ano litúrgico.

Estando às portas do Advento, queremos saber, qual tempo litúrgico você mais se interessa?

Artigos relacionados

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Olá, todos os tempos, Advento, Natal, Quaresma, Tempo Pascal e o Tempo Comum todos são estupendo….mas o que em particular pra mim é 40 dias de preparação para fazer Páscoa está passagem…. é o Centro!

  2. A apropriação dos conhecimentos sobre ” O Ano Litúrgico”  sempre considerei de grande relevância , por meio  da   vivência  deste tempo, como discípulos e missionários da Boa Nova de Jesus Cristo, contribuímos para tornar presente o Amor de Deus no Mundo.

×

Powered by WhatsApp Chat

×