man in white and black jacket and pants sitting on black surface

Nossa Senhora das Dores, tem sentido?

Tempo de leitura: 3 minutos

No mês onde celebramos Maria, a senhora das dores, vamos refletir sobre o sentido desse tema.
Se pensarmos numa expressão que caracteriza o drama da vida de Maria encontramos como lugar comum Nossa Senhora das Dores. Esta invocação sobretudo em tempos de dor como é a perda de um familiar, de um amigo,a perda do trabalho, encontra em Maria não quem cura a dor mas quem vive a dor conosco.

A Senhora das Dores evoca sentimentos da espada da dor que trespassa todas as vidas de todos os tempos. Encontrar em Maria uma presença no momento mais pesados dando-nos conforto e infundindo-nos esperança, é um gesto de misericórdia associado intimamente à injustiça da Paixão de Jesus e a cada uma das pessoas.

A Mãe da dor tem um profundo significado espiritual que procuraremos demonstrar. Quem sofre, encontra na mãe um reflexo da compaixão divina que se torna única e verdadeira consolação. É célebre a imagem da Mãe com o Filho deposto da cruz nos seus joelhos, sobretudo porque nos estimula a aproximar-mos ao mistério da dor sem estarmos sozinhos mas com uma visão de fé que nos permite acreditar numa luz. Esta explicação não se desdobra dentro do nosso âmbito racional, mas nos introduz ao grande mistério pascal, da morte injusta de Cristo onde o instrumento da dor se tornou a nossa salvação, vivendo Maria todo este mistério ao lado do Filho.

Os Evangelhos nos indicam três momentos sobre a dor vivida por Maria: a profecia de Simeão, a perda do Menino Jesus no templo, a presença no Calvário junto à cruz. Não entrando em aprofundamentos exegéticos acerca destas passagens escriturísticas deixo apenas a referência de que a referência constante destes versículos são a Paixão-Ressurreição de Jesus. Evento amargo e glorioso, onde nascimento e morte, derrota e vitória, trevas e luz, abandono e encontro se fundem no eterno paradoxo cristão. Conosco também é assim, dor e esperança, medo e fé. Quem de nós não tem vivido momentos assim sobretudo nesses tempos, onde nossa única esperança é Cristo e a presença de Maria que nos consola e ensina a sofrer com fé.

Maria é envolvida por este mistério junto ao Filho onde a glória e a dor aparecem compreendidas apenas no fiat da Serva do Senhor que não deixa de o repetir junto à nossa cruz. Quando nos dirigimos à Tradição encontramos na liturgia a figura de Maria como a cordeira que segue o cordeiro destinado ao matadouro. Esta imagem por quanto estranho nos possa aparecer indica-nos como a dor de Maria não é uma dor isolada, fechada dentro de uma desolação. Em vez disso é uma mãe cheia de comunhão pelo Filho, que na cruz oferece a vida como sacrifício de amor pela salvação da humanidade. 

Esta imagem de Maria como Mulher das Dores ao lado do Homem das dores é também para nós pedagógica porque nos faz encontrar com a ressurreição nos momentos mais dolorosos de morte. As lágrimas de Maria convertem-se pela fé em lágrimas de esperança pelo Domingo da Ressurreição prometido. Esta eminente esperança toca-nos pela compassio Virginis, isto é, a nossa presença na compaixão da Virgem para com Cristo que nos oferece a vida através da sua morte.

A pessoa e a missão de Maria no mistério da dor dos cristãos é também vista como a mulher que está para dar à luz e que grita com as dores de parto atravessada pela espada da dor. Esta imagem muito forte do mundo mariológico adquire um significado que não nos deixa indiferentes quando pensamos na Mulher de Apocalipse 12. Pensemos a nós como filhos da Ressurreição de uma maternidade espiritual doada por Cristo na cruz ao discípulo amado e logo nos apercebemos da importância desta maternidade. 

Na tradição católica temos ainda a devoção às 7 dores de Maria que tem encontrado uma grande aceitação por parte da nossa sociedade, são elas: profecia da espada (Lc 2,34-35); fuga para o Egito (Mt 2,13-14); a perda de Jesus no templo (Lc 2,43-50); o encontro de Jesus na via do Calvário (Lc 23,26-27), a presença de Maria ao lado da Cruz (Jo 19,25-27); a deposição ou Piedade (Mt 15,42) e a sepultura de Jesus (Jo 19,40-42a).

Em conclusão, contra todas as interpretações dolorísticas, encontramos a Mãe de Jesus preocupada com o futuro de Filho e como dores infligidas por pessoas que agindo contra eles não foram capazes de entender o sumo bem. A atitude de Jesus e Maria perante a dor não são de fuga, passividade, retorsão mas de aceitação espiritual e de transformação profunda. A pedagogia da dor nos obriga a assumir responsavelmente o mal e colocá-lo no horizonte cristão de salvação onde cada dor salva. 

E você como tem vivido os momentos de dor?

Artigos relacionados

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Sinto a presença de Maria exatamente como descrito no texto. Aquela cuja presença que me diz: Fiat !

  2. Salve nossa Mãe e Protetora. É nos momentos de dor que Ela também nos acolhe e proteje com seu Manto maternal.

  3. A força de Jesus e de Maria diante dos momentos de dor e sofrimento nos ensinam que também esses são momentos de graça quando permitimos que Deus esteja conosco. Dores e sofrimentos devem ser situações favoráveis para que Deus aja com seu poder e graça para nossa conversão, isso é crescimento espiritual.

  4. Nos momentos de dor, como nos momentos de alegria, sempre recorremos e louvamos a nossa Mãe do Belo Amor. Amor sublime que nos acompanha!

  5. No momento de dor física ou espiritual, Maria está sempre presente. Maria intercede a seu Filho Jesus para amenizar nossa dor, Ela sabe o quanto estamos sofrendo. Maria viveu todo sofrimento do seu Filho no caminho do calvário. Salve Maria!🙏

  6. Muito bom. A minha cidade de Teresina capital do estado do Piauí e dedicado a Nossa Senhora das Dores.

  7. Colocar minhas dores e aflições nas dores e na e na Paixão de Jesus, não me esquecendo que Maria sobe junto o Calvário. Não é apenas sofrimento, é uma subida ao encontro da ressurreição.

  8. Forte o texto sobre Nossa Senhora das Dores. Maria não nos cura a dor, mas vive a dor conosco. Tenho experiência dessa Verdade, em situações em minha vida. A dor em Maria é aceitação Espiritual e transformação profunda.

  9. Faço parte do Instituto das Irmãs Missionárias de Nossa Senhora das Dores é uma vez escutei de um sacerdote que me disse:“Não esqueça que você é das Dores,você é convidada a ver a dor com os olhos da Fé ,como aquela que permanece firme e de pé ,mesmo que doa ,mesmo que sofra,você é convidada a viver a alegria da jovialidade ,como é descrita no carisma do teu instituto ,mesmo quando os caminhos não forem claros e mesmo que haja dor”.Nossa Senhora das Dores nos ensina tantas coisas ,entre elas,acolher Os momentos de Dores e encarar com os olhos da fé ,de quem tem um Pai que não abandona e não pede mais que possamos suportar.

  10. Viver momentos de dor é sempre difícil e angustiante, mas, sentir a proteção da Mãe é consolador e traz esperança. Mãe das Dores, Mãe da Esperança nos aponta para a Ressurreição.

  11. Quão grande esperança nos dá, saber que Maria vive a nossa dor e como Mãe está pronta para nos ajudar e confortar, nos apontando para seu filho Jesus Cristo! Nós devemos estar atentos a acolher este tão grande amor da Mãe que nos abraça e ama.

  12. Artigo muito interessante. Alguns teólogos acreditam que, por confiar na ressurreição, Maria não teria sofrido, mas considero leviandade falar isso, ela tinha sentimentos e não seria indiferente ao sofrimento do filho.

  13. Maria é presença viva, em todos os momentos de minha vida. Depois de quase seis meses fui à Santa Missa e comunguei. Agradeço a Maria Santíssima, pelo seu sim, que nos permitiu Este Amor!

  14. *No momento de dor, olho para O “Cristo Crucificado”, e verbalizo: Senhor, vos que não viveu a experiência do pecado, sofreu tanto, culminando com a morte na Cruz por Amor aos seus filhos, daí forças a essa “filha pecadora “, para suportar o que a aflige neste momento!
    Sei que existe uma Mãe Incansável de interceder por seus filhos e filhas. Perdoa-me Senhor, tem Piedade de mim, amém!
    “TUDO POSSO NAQUELE QUE ME FORTALECE”*

  15. Nas minhas dores. Tribulações penso logo Maria..pelas vossas Dores Mãe vem em nosso Socorro.A Virgem Silenciosa mesmo nas dores🌹🌹🌹🌸🌸

  16. Amém! Gostei muito e achei interessante!
    Meu aniversário é próprio o dia de Nossa Senhora das Dores e foi um belo presente para mim

  17. Quem de nós quando criança não recorria a mãe nos momentos de dor para que ela nos aliviasse a dor. É a Ela que devemos recorrer, é Ela que nos vai dar colo, é Ela que aliviará nossas dores, pois foi Ela que vivenciou todas as dores. Nos momentos de dor recorramos a Ela: “Minha Nossa Senhora!”

  18. Sempre experimentando este amor; consolo; e espera, no Seu colo. Maria, eu entrego-me à Vós.

  19. A minhas dores rezo, peço misericórdia a Jesus, peço misericórdia a NSA Senhora, rezo com esperança, amor e fé sempre

  20. Orando, clamando a Deus forças, pedindo a Maria e Jesus q não se afastem de mim e q td essa dor me torne melhor como pessoa e cristã.

  21. Com muita oração e confiança que um dia tudo vai passar porque temos uma Mãe que nos sustenta e um Deus do impossível! Somos filhos da esperança 🙏

  22. Lindo demais termos a presença de Maria nos momentos dificeis das nossas vidas…sempre vivi esta experiência com Maria rezar o Rosário e pedir sua interseção em nossas vidas muito importante na presença de Deus…

  23. Tanto na alegria como na dor, fortalecer a Fé no Divino Pai buscando nas orações as palavras que dão acalanto ao espírito, desde a primeva ensinada pelo próprio Jesus Cristo, O Pai Nosso e todas aquelas dirigidas à Virgem Mãe Santíssima!

  24. Professor Daniel, boa tarde.
    No texto lindo e espiritual sobre Nossa Senhora das Dores, é citado sobre as 7 dores de Maria, porém, nas duas últimas citações bíblicas, creio que há erro na digitação referente ao versículo bíblico, é possível o senhor confirmar.
    Gratidão.

  25. Boa noite, Ave Maria!
    Repassei o texto de Nossa Senhora das Dores para algumas mães e viúvas da comunidade que eu participo.
    Segue abaixo a resposta de uma jovem mãe e viúva: “Boa tarde Sandro que bela reflexão. Que as nossas atitudes perante a dor não seja de fuga e que possamos aprender que cada dor salva”.
    Caminhando com Maria encontramos a força para seguir!

×

Powered by WhatsApp Chat

×