Maria e a Vida Consagrada

Tempo de leitura: 4 minutos
Nesse mês de Agosto celebramos o mês das vocações: os leigos, os sacerdotes, os religiosos e consagrados, e os casais.  Com isso preparamos para vocês um artigo sobre a presença de Maria na Vida Consagrada.

Maria de Nazaré, como sublinha o Concílio Vaticano II, “que entrou intimamente na história da salvação, e, por assim dizer, reúne em si e reflete os imperativos mais altos da nossa fé, ao ser exaltada e venerada, atrai os fiéis ao Filho, ao Seu sacrifício e ao amor do Pai” (Lumen gentium, 65).

Ela é o modelo universal da vida cristã. Esta verdade também é partilhada pelo Papa Paulo VI que, na exortação Signum Magnum, onde exprimiu a sua convicção: «Todos os períodos da história da Igreja beneficiaram e hão-de beneficiar da presença maternal da Mãe de Deus, pois Ela permanecerá sempre indissoluvelmente unida ao mistério do Corpo Místico de cuja Cabeça está escrito: «Jesus Cristo, ontem e hoje é o mesmo e será para sempre» cf. Heb 13,8 ” (Signum Magnum, 13). Esta presença materna de Maria manifesta-se de maneira especial na vida consagrada, pois imitando Jesus casto, pobre e obediente, olham para a Virgem como modelo e guia que conduz à realização da vida de santidade. 

Sobre esta temática,  também foi expresso por São João Paulo II na exortação pós-sinodal Vita Consecrata, sublinhando que «A relação com Maria Santíssima, que todo o fiel tem em consequência da sua união com Cristo, resulta ainda mais acentuada na vida das pessoas consagradas. (…) Em todos [os Institutos de vida consagrada], existe a convicção de que a presença de Maria tem uma importância fundamental, quer para a vida espiritual de cada uma das almas consagradas, quer para a consistência, unidade e progresso da inteira comunidade” (Vita consecrata, 28).

É importante notar que o Magistério do Concílio Vaticano II mostra claramente o importante papel de Maria na vida consagrada, apresenta-a como modelo e encorajando-os a imitá-la. São Paulo VI, continuando a tarefa conciliar, na sua doutrina referiu-se repetidamente a Maria como modelo de vida consagrada. O fundamento do pensamento mariológico e mariano do Papa é a doutrina conciliar do VIII capítulo da Lumen gentium, intitulado: “A Santíssima Virgem Maria Mãe de Deus no mistério de Cristo e da Igreja”, que é a essência da Mariologia contemporânea. Não é sem importância o fato de São Paulo VI ter sido um papa mariano,  e isto é testemunhado por seu amor e devoção à Mãe de Deus e sua grande preocupação pela renovação do culto mariano na Igreja.

Ainda sobre o papel de Maria na Vida consagrada, aquelas que respondem ao dom da vocação, percorrem o caminho da fé profunda e da confiança total na vontade de Deus: de Maria, aprendem a abraçar a Palavra de Deus e a estarem abertas à ação e à inspiração do Espírito Santo porque assim poderão conhecer a vontade de Deus e “cumprir, com humildade e magnanimidade, a missão que Deus confia a todos neste mundo”. Na vida das pessoas consagradas, a meditação da Palavra de Deus na oração e a participação na liturgia contribuem para o crescimento e a conservação da fé e ajudam a aceitar os desafios diários. Como observa o papa, “toda a nossa salvação deriva de ouvir a Palavra do Senhor. Porque a fé deriva e tudo mais vem da fé: fides ex auditu”.

As bodas de Caná da Galiléia mostra Maria implorando humildemente a Jesus para intervir nas necessidades temporais dos recém-casados. Diante de suas palavras: “Mulher, o que você quer de mim?” (Jo 2,4), Maria não desanimou, mas mantém um silêncio significativo. Em sua delicadeza feminina e maternal, ela entrega a situação ao Senhor e volta sua atenção para os servos, exortando-os a obedecer e crer abertamente, pedindo-lhes que fizessem tudo o que Jesus ordenou. Seu pedido foi atendido, o que contribuiu para fortalecer a fé dos discípulos em Jesus como o Messias. Um dos aspectos a serem destacados neste evento é a mediação de Maria, através da qual ela cumpre sua missão materna para com as pessoas.

Como disse São Paulo VI as pessoas consagradas são chamadas a ser mediadoras e a rezar pelas pessoas que precisam de ajuda, especialmente no ambiente em que vivem e trabalham. A sua atividade deve visar principalmente o despertar e o renascimento da consciência dos filhos de Deus nos homens e mulheres contemporâneos. O testemunho da sua vida, totalmente consagrado a Deus, deve ser fermento evangélico, semente de fé, como «grão de mostarda» evangélica (cf. Lc 17,5) no coração das pessoas.

A vocação tem origem no Pai porque é “um dom precioso da graça divina, doado pelo Pai a alguns” (Lumen Gentium, 42) e, sendo uma resposta à graça dos eleitos na vida consagrada, assume a forma de consagração. João Paulo II sublinha que:

“Entre todas as pessoas consagradas sem reservas a Deus, ela é a primeira. Ela – a Virgem de Nazaré – é também a mais consagrada a Deus, consagrada da maneira mais perfeita. (…) Ela, que como Mãe carrega Cristo nos braços, ao mesmo tempo cumpre o seu chamado da maneira mais perfeita: “segue-me”. E ela o segue – Ela, a Mãe – como seu mestre na castidade, pobreza e obediência”

SÃO JOÃO PAULO II, Redemptionis Donum, 17.

Maria sendo modelo dos consagrados, hoje abertos a outras formas de vida além dos religiosos, como casais e solteiros, integra o ser humano em sua totalidade. Ela é aquela que primeiro aponta os conselhos evangélicos que os vive. Ela é a casta que gera em seu coração o Amor de Deus; é a pobre que vai ao encontro de Isabel e doa de si mesma para o outro, mesmo tendo em seu seio “o direito” de ser servida; é a obediente que ama e pratica a vontade de Deus, mesmo sem entender, “guardando todas as coisas em seu coração”. E em sua abertura à vida, à oração e ao outro, continua a ser referência para todo aquele que com coragem dizem “Fiat” à vontade de Deus. 

Artigos relacionados

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. “Ó Maria concebida sem pecado, Rogai por nós que recorremos a vós!”

  2. Que texto fantástico! O Coração de Nossa Senhora é uma fonte inesgotável de descobertas que nos conduzem a Deus!

  3. … com tanta esséncia somente na Virgem Santissima podemos compreender seu ” SIM” , açâo imediata na obediência e humildade. Duas virtudes ligadas na sabedoria e com um toque de mansidão. Alguém que mesmo sendo grande se faz pequeno para nos mostrar que humilharsse é como silénciar para uma resposta sábia! Maria um mistéeio insondável neate mundo. A vivencia dela dentro a vida consagrada e fora conosco como leigos é espetacular pois confirma a generozidade de Maria com MÂE de uma naçâo sedenta de compaixão!
    Oh Virgem Santissima como és insondável ao nossos olhos humanos!

×

Powered by WhatsApp Chat

×