Quem é a “menina virgem casada” – Mariologia Bíblica

Tempo de leitura: 3 minutos

Postaremos abaixo um trecho do livro “Maria, filha de Israel: O Antigo Testamento na Mariologia”, da prof.ª Dr.ª Rita Torti, para que você aproveite de algumas gotas do que será o grande oceano do CURSO MARIOLOGIA BÍBLICA DO ANTIGO TESTAMENTO!

Quem é Maria? O testemunho mais antigo sobre ela é, sem dúvida, Gálatas 4,4-5: “Vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou Seu Filho, nascido de mulher [perífrase então corrente para indicar homem], nascido sob a lei, para resgatar os que eram sujeitos à lei, e todos receber a dignidade de filho”.

“O conceito neotestamentário de ‘plenitude dos tempos’- afirma Romano Guardini – não significa apenas o fato de ter chegado o tempo determinado por Deus, mas também que a história da revelação urgia interiormente para o seu cumprimento” (La Madre del Signore , 25).

Com a citação de Gálatas começa o cap. VIII da Lumen Gentium, que nos convida a ver a grandeza de Maria principalmente na sua dignidade de Mãe do Redentor: ela é imediatamente colocada no lugar que é historicamente seu, na realização do plano divino de salvação, e vem apresentada como elemento essencial do seu desenvolvimento. A expressão sublinha ao mesmo tempo a realidade da humanidade de Jesus: foi plenamente homem do seu tempo e do meio em que viveu e era também o Messias esperado durante séculos. Ele mesmo diz que as Escrituras dão testemunho dele (Jo 5,39).

Mas nada sabemos sobre o ambiente em que Maria cresceu, sobre a sua juventude, até o momento do anúncio do Anjo. A educação e a forma de vida exterior eram certamente as mesmas de todas as meninas de sua classe social. “Nossa única fonte, o Evangelho, não relata nenhum tipo de acontecimento prodigioso. […] Acima de tudo, devemos manter a influência dos escritos diante de nossos olhos e, a montante dela, dos evangelhos apócrifos. Muitas deformações e achatamentos da imagem de Maria devem ser atribuídos a esses fatores. A exposição deve mostrar – não apenas para dizer, mas para tornar visível – como a realidade genuína é mais piedosamente religiosa, maior e mais misteriosa do que todos os milagres lendários (Guardini, La Madre del Signore, 22).

O evangelista Lucas nos conta que o anjo Gabriel foi enviado por Deus “a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma ‘virgem prometida em casamento’ (pròs parthénon emnēsteuménēn; na Vulgata: ad virginem desponsatam) a um homem da casa de Davi chamado José. O nome da virgem era Maria” (Lc 1,26-27). No momento do anúncio do anjo, ela devia ter 12/13 anos.

Em geral, raramente fala-se de virgens, mas aqui, Lucas repete duas vezes no mesmo verso que era uma virgem, colocando o substantivo na posição culminante, na conclusão: “o nome da virgem era Maria”. Ele descreve a situação jurídica com o verbo grego mnēsteúô, que também ocorre em Mt 1,18 (“sua mãe Maria, tendo sido dada em casamento [mnēsteutheísēs”] a José) e em Lc 2,5 (“[José] teve que ser registrado junto com Maria, sua esposa (emvēsteuménēi autô), que estava grávida”.

A expressão de Lc 1,27 ocorre na versão grega da LXX em Dt 22,23 (parthénos memnēsteumén), como uma tradução do texto massorético na’ărâ betûlâ me’ōrāśâ (root ‘rś): “uma menina virgem casada”. Uma jovem (a na’ărâ é uma jovem entre 12 anos e 1 dia e 12 anos e meio) da qual se especifica que era esposa de alguém (’iššâ) (Dt 22,24). Também de Maria em Mt 1,24 é dito claramente que ela era a noiva de José: “Quando ele acordou, José […] levou consigo sua noiva” (tean gynaîka autoû); Vg: Aceit conquistem suam).

A LXX sempre traduz a raiz ‘rś com o verbo mnēsteúô, que em Mt 1,18 e Lc 2,5 é usado para indicar a posição jurídica de Maria. Apenas em Dt 28,30 (“você tomará uma mulher e outro o terá”) e 2Sm 3,14 (“Devolva minha esposa Mical, que tomei por cem prepúcios de filisteus”), eles usam o verbo lambánô (“levar” , “Receber”) (Kühlewein, DTAT I, 210-212).

A raiz hebraica ‘rś indica algo que não tem correspondente em nossas culturas:

̶ certamente não se refere a noivado (hebraico: šîddûkîn), fase que antecedeu o casamento e consistia nas preliminares conduzidas pelos próprios noivos ou por seus pais ou parentes (preliminares obrigatórias, que diziam respeito aos acordos quanto à data e local da celebração e às obrigações financeiras, como, por exemplo, o tamanho do dote);

̶  mas não significa nem mesmo casar, como o entendemos hoje.

É absolutamente enganoso traduzir o termo bíblico ‘rś (em suas várias formas) por “noivar”, “noivado”: indica, em vez disso, o ato essencial que constitui a primeira fase do procedimento do casamento; um ato jurídico vinculativo e público, que inicia o casamento pelo lado jurídico.

Encontramos a raiz ‘rś em Os 2,21-22, em que o profeta nos revela o mistério do amor de Deus por seu povo, um amor que o leva não apenas ao perdão, mas a um novo casamento para sempre. “Vou fazer-te minha esposa” (‘erastîk lî: root’ rś) – Yhwh repete três vezes, falando na primeira pessoa ao seu povo, com quem quer estabelecer uma comunhão de vida, uma relação estável e exclusiva, tipicamente esponsal …

Quer beber mais desse livro? Fale conosco pelo 34 999786407 e peça já o seu exemplar!

Para fazer sua inscrição desse grande Curso acesse www.locusmariologicus.org/mariafilhadeisrael

Artigos relacionados

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Demostra a certeza no meu coração de querer saber mais sobre nossa Mãezinha .aguardando ansiosa. 🙏💐💐💐

×

Powered by WhatsApp Chat

×