Feliz aquela que acreditou (Lc 1,45)

Introdução

É o texto de Lucas que segue o trecho da Anunciação a Maria, ou melhor, a vocação de Maria. Lá, ouvimos o seu sim à palavra do anjo, a sua resposta positiva na fé. Dessa forma, é cumprida a condição para que a promessa de Deus se torne carne. O sim de Maria permite a realização da promessa nos dois sentidos, como promessa e como conteúdo da promessa. O sim de Maria é um consentimento de fé ao bem antecipado na promessa divina, em nome do próprio conteúdo da promessa, ou seja, Deus salva.

O consentimento de fé abre o compromisso da liberdade no serviço do amor, que assume efetivamente a promessa. Assim, por parte de Deus, a realização da promessa ocorre com a concepção do bebê em Maria, enquanto, por parte de Maria, a realização da promessa ocorre por meio da visita a Isabel. Após o relato da vocação, segue-se o da missão, porque uma vocação sempre tem o seu desfecho em uma missão.

Esse parece ser o significado do episódio evangélico comumente conhecido como “Visitação de Maria” (Lc 1,39-45). Maria não se esconde, não se fecha em si mesma, ao contrário de Isabel, que permanece recolhida na alegre meditação pelo fim de sua humilhação devido à prolongada esterilidade. Pelo contrário, Maria entra em ação para levar a boa nova que está misteriosamente tomando forma em seu ventre. Maria torna-se o modelo perfeito do testemunho, porque, subindo a montanha de Judá, leva consigo o Cristo em seu ventre e assim entrega o evangelho ao povo que aguarda a visita do Senhor.

Aceitar os ‘sinais’ do Senhor

A questão de por que Maria se dirige imediatamente à montanha de Judá, já que o anjo não lhe deu explicitamente nenhuma ordem nesse sentido, ainda permanece. Bem, se ela sobe a montanha de Judá, não é de forma alguma para verificar a veracidade das palavras do anjo, mas, ao contrário, para aceitar em plena obediência o convite que o anjo implicitamente lhe fez: contemplar o sinal que o Senhor deseja dar-lhe através de Isabel.

Este convite é expresso no “eis,” que literalmente poderia ser traduzido como “olhe,” “veja”! Agora, Maria é a verdadeira fiel que não recusa o sinal que o Senhor lhe concede e sobe a montanha para visitar a parente idosa milagrosamente grávida. Nisso, Maria aparece como o oposto da figura do incrédulo Acaz, que recusou o sinal que o Senhor lhe ofereceu através do profeta Isaías: “Não o pedirei, não quero tentar o Senhor” (Is 7,12). Então, o profeta o repreende severamente: “Não é suficiente para você cansar a paciência dos homens, que agora você quer cansar a paciência do meu Deus?” (Is 7,13).

Como autêntica fiel, Maria empreende sua longa jornada para “ver” o que o Senhor está fazendo no meio de seu povo, para contemplar com Isabel a ação poderosa e salvadora do Deus de Israel e magnificar o Senhor com ela. Assim, também está implícita uma exortação ao leitor: como Maria, ele é chamado a ter uma fé “de olhos abertos“, uma fé que procura compreender o que Deus está fazendo na história de seus outros irmãos e irmãs, em particular oferecendo a eles o sinal mais evidente de sua misericórdia e fidelidade: o dom dos filhos!

Em movimento

O evangelista nos apresenta um retrato intenso de Maria “em movimento“. É um movimento que ocorre “rapidamente“, um termo querido a Lucas, usado para indicar um forte impulso religioso, ou seja, uma grande paixão que toma posse do ser humano, como no caso dos pastores que vão “rapidamente” a Belém (Lc 2,16) impelidos pelo anúncio angelical. Também podemos lembrar a pressa de Zaqueu, que desce quase rolando da árvore (Lc 19,6), embora não seja usada a mesma palavra grega, e a prontidão dos discípulos de Emaús que retornam à cidade para anunciar aos Onze a ressurreição do Senhor.

Além disso, uma “pressa” semelhante pode ser encontrada em vários textos do Antigo Testamento, todos permeados de atmosfera religiosa, como, por exemplo, a pressa de Abraão junto aos carvalhos de Mambré ao correr para o rebanho e preparar um banquete para os três divinos hóspedes (cf. Gen 18).

Lucas aqui quer destacar a vontade de chamar a atenção do leitor para a prontidão e agilidade de Maria ao subir a montanha de Judá. Com essa imagem, ele deseja provocá-lo positivamente e implicitamente fazê-lo refletir sobre sua prontidão para a missão e reconhecer a necessidade de superar a hesitação e as dúvidas que muitas vezes impedem a adesão fiel à promessa divina.

O destino da viagem também é muito significativo: “a região montanhosa“. Maria vai em direção a uma aldeia cujo nome permanece anônimo, mas com um horizonte facilmente reconhecível, ou seja, as montanhas que cercam Jerusalém. Isso nos remete de forma inegável ao famoso versículo de Is 52,7: “Como são belos sobre os montes os pés do mensageiro de boas-novasque diz a Sião: ‘Reina o teu Deus’“.

A saudação de Maria

A jornada se encerra com a entrada na casa de Zacarias e a saudação a Isabel. Na saudação de Maria, não existe apenas o cumprimento de uma formalidade, de um costume de boa educação, mas uma palavra eficaz que realiza o que é prometido. Com a “missionária” Maria, já se verifica o que Jesus dirá aos Seus enviados: “Em qualquer casa que entrarem, digam primeiro: ‘Paz a esta casa!’ Se houver um filho da paz, a paz de vocês repousará sobre ele” (Lc 10,5-6).

O dom da paz, da alegria abundante, acompanha a saudação de Maria a Isabel. Isabel é preenchida com o Espírito Santo, e o bebê sussulta de alegria em seu ventre. Estes são os frutos das boas notícias: quando entra na vida de alguém – como no caso de Isabel que recebe a saudação de paz de Maria – ela produz alegria e alimenta aquela exultação incontrolável gerada pelo derramamento do Espírito, o dom dos novos tempos messiânicos.

Isabel, sendo cheia do Espírito Santo, fala então com palavras proféticas, e também pode ser corretamente afirmado que, através dela, fala também o bebê que ela carrega em seu ventre, pois ele também está cheio do Espírito Santo. Dessa forma, o leitor, por meio das palavras de Isabel, é convidado a compartilhar sua admiração por Maria, a serva do Senhor e a fiel!

A cena de alegria exuberante lembra mais uma vez o texto de Isaías sobre a chegada do mensageiro de boas novas a Sião. A resposta de Isabel é um clamor alto, um grito de exultação, assim como o das sentinelas de Jerusalém que recebem a notícia emocionante em primeira mão: “Ouça! Suas sentinelas levantam a voz, juntas gritam de alegria, pois veem com seus próprios olhos o retorno do Senhor a Sião” (Is 52,8).

Enquanto isso, Maria permanece em silêncio e ouve as palavras de Isabel. Ela é uma figura silenciosa extremamente sugestiva porque, além de anunciar a boa notícia e trazer a saudação esperada de paz, sabe também ficar em silêncio e ouvir, contemplando os frutos do Evangelho nos corações. Então, o silêncio acabará, e quando ela falar, será apenas para magnificar o seu Deus.

Lucas está traçando um retrato ideal do cristão que se torna testemunha: o anúncio verdadeiramente eficaz tem suas raízes na escuta e na contemplação! O que está acontecendo nesta casa de Zacarias com o encontro das duas mulheres é um maravilhoso evento de comunhão no amor e na fé. É um evento que tem como protagonistas não apenas as mães, mas também os filhos. Isabel reconhece em Maria não apenas uma parente que deseja estar perto dela em um momento de necessidade, mas o cumprimento da promessa de Deus de visitar o Seu povo.

É o Deus que visita a humanidade dando vida e pedindo a ela que colabore com o Seu plano de salvação, reconhecendo assim no dom do filho a Sua própria presença próxima. É um evento de comunhão em que transparece um aspecto do povo de Deus como uma comunidade formada por uma rede de famílias, simbolizada aqui pelas duas mulheres que se abraçam e se alegram juntas. É uma alegria contagiosa, cheia de admiração, que se estende à comunhão que as duas mães experimentam com os filhos, sentindo a exultação deles em seus ventres.

Isabel louva Maria

Enquanto isso, Maria permaneceu em silêncio e ouviu o discurso de Isabel. Ela é uma figura silenciosa extremamente sugestiva porque, além de anunciar as boas notícias e trazer a saudação esperada de paz, sabe também ficar em silêncio e ouvir, contemplando os frutos do Evangelho nos corações. Então, o silêncio acabará, e quando ela falar, será apenas para magnificar o seu Deus. Lucas está assim traçando um retrato ideal do cristão que se torna testemunha: o anúncio verdadeiramente eficaz tem suas raízes na escuta e na contemplação!

Vamos agora examinar de perto o discurso de Isabel. Ela começa com uma aclamação que não deve ser considerada apenas uma simples felicitação: “Bendita és tu entre as mulheres” (v. 42), e conclui com outra exclamação, uma bem-aventurança: “bem-aventurada aquela que acreditou…” (v. 45). No meio há uma frase interrogativa, cheia de surpresa e maravilha: “Por que a mãe do meu Senhor vem a mim?” A partir deste versículo, é útil começar a compreender o discurso de Isabel sobre Maria.

Ela destaca toda a sua indignidade e, por contraste, a eminente dignidade da “mãe do meu Senhor“. Aqui podemos perceber um eco de um episódio do Antigo Testamento, o de Davi, que se pergunta surpreso o motivo pelo qual Deus decidiu entrar em sua casa: “Como a arca do Senhor virá a mim?” (2 Sam 6,9). No entanto, a pergunta de Davi também indica sua hesitação em receber a arca do Senhor, algo “temível” para o homem. Aqui, por outro lado, o espanto de Isabel está completamente imbuido de alegria, admiração e gratidão, sem qualquer sombra de medo.

A expressão com a qual Isabel se dirige a Maria indica a razão pela qual a grandeza e a dignidade incomparáveis daquela que veio visitá-la: o filho que Maria carrega em seu ventre é “o Senhor“! Pode-se dizer também que a grandeza do Filho comunica ainda mais dignidade à mãe. Se na Israel antiga a maternidade sempre foi algo de muito alto, essa gravidez de Maria é uma maternidade de dignidade ainda mais inalcançável devido à natureza divina do filho que lhe foi dado pelo Altíssimo.

As afirmações de Isabel precisam de uma explicação para não parecerem exageradas ou excessivas. É o que ela se apressa a esclarecer: “Assim que o som de sua saudação chegou aos meus ouvidos, o bebê sussultou de alegria no meu ventre” (v. 44). Isabel fala de si mesma, mas apenas para mostrar a consciência de sua própria pobreza e humildade, juntamente com a alegria pela graça inmerecida que recebeu com a visita de Maria em sua casa, uma graça que se soma àquela do filho que está crescendo dentro dela. Humildade e fé são inseparáveis, e é somente na humildade que reconhecemos a grandeza de Deus.

Agora, vamos nos deter nas duas frases exclamativas que abrem e fecham o discurso de Isabel: a bênção inicial e a bem-aventurança final. A exclamação inicial de Isabel (“Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre!“) não é uma citação direta da Bíblia, mas é um tema muito conhecido no Antigo Testamento (cf. Jz 5,24; Jz 13,18). Pode-se pensar aqui nas bênçãos de Abraão por Melquisedeque, após a vitória sobre os quatro reis (Gen 14,19ss).

O que todos esses textos têm em comum é que essas bênçãos são proclamadas sobre o herói ou heroína que acabou de conquistar uma vitória extraordinária. Bem, de que vitória se trata aqui para Maria? Claramente, é a vitória de sua fé, alcançada através da obediência pronta e confiante ao projeto de Deus. Nos textos análogos do Antigo Testamento, após a bênção do herói ou heroína, geralmente segue-se a bênção de Deus, pois Ele garantiu a vitória ao Seu herói (cf. Gen 14,19-20).

Aqui, algo semelhante acontece, mas também profundamente diferente e original: após a bênção da mãe, segue-se a bênção do filho que ela carrega em seu ventre. Pode-se considerar, então, esta última bênção uma proclamação da ação benevolente de Deus em relação ao filho que ela carrega, da mesma forma que aquela dirigida à mãe, ou, e isso parece mais pertinente, deve-se entender que Isabel eleva sua bênção àquele “fruto do ventre de Maria“, precisamente porque Ele é Aquele que lhe deu a vitória! Interpretando dessa forma, as duas frases, respeitando o substrato aramaico da frase dita por Isabel sobre Maria, soariam como: “Tu és bendita entre as mulheres, pois o fruto do teu ventre é o Bendito“.

A bem aventurança da fé

Agora, chegamos à exclamação com a qual Isabel encerra seu discurso e proclama a bem-aventurança de Maria: “E bem-aventurada aquela que acreditou na realização do que o Senhor lhe disse” (v. 45). Deve-se notar que a expressão semítica subjacente às afirmações bíblicas de “bem-aventurado/a” nunca é uma exclamação isolada, mas sempre se refere a um sujeito explícito, para o qual a razão dessa felicitação é de alguma forma motivada. Em outras palavras, nunca há a exclamação “bem-aventurado!” sem que seja indicado “quem” é bem-aventurado.

A bem aventuraça se diferencia da bênção, embora esteja próxima. A bênção vem de cima e é, portanto, uma realização eficaz de felicidade em relação ao “abençoado“. A bem aventurança não produz, mas constata com admiração a felicidade de alguém, de alguma forma participa dela e desperta o desejo por ela. Deve-se também observar que a “bem aventurança” é uma forma literária fundamentalmente relacionada à esfera religiosa. Não se proclama alguém como “bem-aventurado” simplesmente porque possui bens materiais, independentemente de seu eventual significado religioso.

A “bem aventurança”, em última análise, proclama a salvação, exaltando com louvor uma pessoa ou um grupo de indivíduos, exatamente por causa de sua condição de salvação que os torna bem-aventurados, felizes. Aqui, a bem aventurança de Maria é reconhecida como fundamentada em sua fé, pela qual ela reconhece o cumprimento da palavra do Senhor, afirmando a fidelidade e a bondade da ação divina em relação à humanidade.

Portanto, a declaração de bem-aventurança também é uma explicação: Maria está na bem-aventurança da fé, porque na fé, ao acreditar na Palavra de Deus, ela se tornou a Mãe do Senhor (cf. Lc 8,21; 11,38)! Assim, às palavras inspiradas de Isabel, cheias de admiração pela Mãe do Senhor, Maria responderá, em seu Magnificat, desviando o foco de sua pessoa para a santidade e misericórdia de Deus, que realizou “grandes coisas” nela.

Nele, Maria entoa um cântico de louvor articulado em três momentos intimamente ligados: gratidão transbordante pelo que o Senhor fez nela, alegria pelo estilo paradoxal da intervenção divina na história humana e, finalmente, a exaltação de Sua fidelidade em cumprir as promessas feitas a Israel e destinadas a toda a humanidade.

O Evangelho da vida

A passagem da Visitação representa uma imagem da vocação que a família expressa e vive através da geração de um filho. Maria ouve a palavra do anjo e responde com um “sim” de fé. Esse “sim” constitui a condição para que a promessa de Deus se concretize. Nesse mesmo momento da concepção, Jesus é destinado de acordo com uma vocação e uma promessa que vêm de Deus e são abraçadas pela fé de Maria. Essa vocação se concentra no próprio nome de Jesus, que significa “Deus salva“.

É importante notar que o primeiro resultado desse evento de salvação é uma comunhão de amor e fé que envolve não só as mães, mas também os filhos. Sua vocação está intrinsicamente ligada à resposta de fé das mães. É surpreendente notar que os bebês no ventre das mães exultam de alegria a ponto de as mães serem capazes de perceber essa alegria e compartilhá-la com eles.

Esse duplo ouvir, da Palavra de Deus e do evangelho da vida que emana dos filhos, delineia os elementos-chave do compromisso que caracteriza a ação educativa dos pais. Além disso, constitui a base para a formação da comunidade no Reino de Deus. Essa realidade encontra uma expressão profunda na frase escolhida: “Bem-aventurada Aquela que acreditou…”.

Related Articles

Maria na Anunciação – Análise dogmático-litúrgica

Neste segundo dia de Novena, nós vemos a promessa de Aliança concretizada em Maria diretamente, é feita memória no dia 25 de Março, 9 meses antes do Natal, no 4º Domingo do Advento.
Nos santuários Marianos quando celebramos este momento crucial da história da salvação nós celebramos a Incarnação do Verbo no ventre de Maria e assim a criação do primeiro santuário cristão: o ventre de Maria. E este Santuário foi o resultado de um Sim!

Maria e a encarnação do Verbo

Explore a profunda mensagem teológica e a dimensão formal do texto bíblico da Anunciação a Maria em Lucas 1,26-38. Descubra como a vocação de Maria e sua relação única com Deus são reveladas através da análise literária e teológica deste trecho crucial do Evangelho de Lucas.

A jornada litúrgica do Advento através dos Salmos

Explore a riqueza dos Salmos no contexto do Advento neste artigo aprofundado. Descubra como os Salmos Mariológicos e Messiânicos iluminam a jornada espiritual do Advento, refletindo sobre a encarnação de Cristo, a promessa messiânica e a interseção da liturgia com a espiritualidade. Uma leitura essencial para aprofundar sua compreensão e vivência deste tempo sagrado de espera e esperança.

Maria: o eco da fé no silêncio da Escuta

Explore a dimensão teológica de Maria no Advento neste artigo envolvente, que analisa sua exemplar escuta e resposta à Palavra de Deus. Descubra como a Virgem Maria, na sua humilde obediência e fé profunda, se torna um modelo espiritual durante o Advento, refletindo sobre a sua maternidade divina, o paralelismo com Abraão, e o significado da metanóia na fé cristã

Responses

Open chat
Necessita de ajuda?
Ave Maria,
como a poderei ajudar?